Tradutor/ Translate

Ketleyn Quadros reescreve sua história

Ketleyn Quadros reescreve sua história
Com quinto lugar no Mundial, brasileira voltará aos Jogos Olímpicos, em Tóquio, como cabeça de chave, 13 anos após medalha pioneira em Pequim

Ela entrou para a história como a primeira mulher brasileira medalhista olímpica em modalidades individuais ao conquistar o bronze em Pequim, com apenas 20 anos de idade. Treze anos e três ciclos olímpicos depois, a chama olímpica segue mais acesa do que nunca no coração de Ketleyn Quadros. Nesta quarta-feira, 09, ela voltou a reescrever sua própria história conquistando um honroso quinto lugar no Campeonato Mundial, que acontece em Budapeste, Hungria.

AMIGO LEITOR
Seja um colaborador do nosso Site Portal Olímpico. Não deixe essa chama apagar. Neste momento de dificuldade, toda contribuição financeira é bem-vinda.
Dê sua contribuição: Pix 22988620015
Depósito ou Transferência Bancaria em nome de Francisco de Alvarenga Leandro - Banco: Santander Ag: 3086 - Conta: 01042887-3
Qualquer dúvida (22) 988620015.
Desde já, agradecemos sua colaboração!
Atenciosamente, Sócio/Gerente: Francisco de Alvarenga Leandro.

+ Mundial 2021 – Gabi Chibana quer dar a volta por cima após frustração em Budapeste

A medalha inédita de bronze escapou por pouco e foi para o pescoço da holandesa Sanne Vermeer, dez anos mais jovem do que Ketleyn. Mas, a veterana brasileira mostrou para o mundo que na sua história olímpica ainda tem espaço para mais um capítulo: Tóquio 2020.

+ Larissa Pimenta para nas oitavas-de-final do Mundial

[Querido amigo! Está gostando desta matéria? Se sim, precisamos da sua colaboração para mantermos o nosso Site Portal Olímpico. Contribua com a quantia que puder, será de grande ajuda.
Nosso PIX: 22988620015.
Desde já, nosso muito obrigado, e prossiga com uma boa e abençoada leitura.]

“Estar lutando durante todos esses anos é muito amor à modalidade. Eu saio muito feliz desse Campeonato Mundial. Apesar da medalha não vir, eu saio feliz. Inclusive, me emocionei em todas as lutas, porque é uma conquista muito grande. (Ser) uma atleta veterana, me sentir evoluindo, crescendo, tendo meus principais resultados da minha carreira é muito importante, porque, antes de qualquer pessoa acreditar, eu acreditei muito”, desabafou a judoca que, neste ciclo, conquistou seu primeiro ouro em Grand Slam, em Brasília 2019, e seu primeiro título pan-americano, em Guadalajara 2021, chegando ao Top 10 do mundo, o que lhe garantirá uma posição de cabeça-de-chave em Tóquio no mês que vem.

+ Brasileiros ficam sem medalhas no primeiro dia do Mundial de Judô em Budapeste

No Mundial, Ketleyn chegou confiante após conquistar o vice no Grand Slam de Kazan, na Rússia, em maio. Na estreia, venceu uma luta dura contra a kosovar Laura Fazliu nas punições e avançou às oitavas-de-final, onde encarou Alisha Galles, dos Estados Unidos, e passou com um belo ippon.

Nas quartas-de-final, contudo, Ketleyn teve dificuldade para controlar o combate com a eslovena Andreja Leski e acabou sofrendo o ippon. A recuperação veio na repescagem, com vitória tranquila jogando e imobilizando Szofi Ozbas, da Hungria.

Na luta pela medalha, Ketleyn começou melhor e abriu um waza-ari de vantagem. Mas, ainda faltavam mais de dois minutos para o fim do combate e isso, no judô, é tempo suficiente para uma reação. Foi o que aconteceu. Vermeer conseguiu empatar o duelo com outro waza-ari e, no tempo extra (Golden score), garantiu a medalha projetando a brasileira mais uma vez.

“É tão difícil chegar ao bloco final e para você chegar tem que dar tudo de si e saber que a medalha vai para quem erra menos. É muito difícil ter controle de toda essa emoção, da tomada de decisão. Mas, é um aprendizado gigante e, sem dúvidas, muito importante para mim nesta fase. Só de estar aqui para mim já foi muito desafiador”, avaliou.

O 5º lugar de Ketleyn Quadros foi o melhor resultado da seleção brasileira de judô até agora após quatro dias de Mundial. Nesta quarta, outros três brasileiros também lutaram na Laszlo Papp Arena, mas não chegaram às disputas por medalhas. Aléxia Castilhos (63kg) e Eduardo Yudy Santos (81kg) venceram duas lutas cada e pararam nas oitavas. Aléxia caiu para a cubana Maylin Del Toro Carvajal, enquanto Yudy parou no belga Mathias Casse, número um do mundo que se consagrou campeão mundial ao final do dia. Novato em Mundiais, Guilherme Schimidt (81kg) lutou bem, mas não conseguiu passar por Dominic Ressel, da Alemanha, na primeira rodada.

O Mundial continua nos próximos dias com mais nove brasileiros em ação. Maria Portela (70kg) e Rafael Macedo (90kg) são os próximos brasileiros no tatame, nesta quinta-feira, 10. As preliminares começam às 5h e as finais às 12h, no horário de Brasília.

Fonte: CBJ (cbj.com.br)

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.