Estamos Unidos

Treinos virtuais unem judocas paralímpicos de Argentina e Brasil

440.V

CBDV
Aulas em plataformas online durante a pandemia viram alternativa para atletas se manterem em atividade

Aulas em plataformas online durante a pandemia viram alternativa para atletas se manterem em atividade

Treinos individualizados e transmitidos de forma online já não são nem mais novidade em meio ao "novo normal" provocado pelo coronavírus. Foi a maneira que atletas e comissões técnicas encontraram de manter corpo e mente ativos até que os torneios voltem a ser disputados. Mas no caso do judô paralímpico os trabalhos virtuais têm ido um pouco além.

Na última quinta-feira (9), dois países se uniram remotamente para treinarem juntos. A convite do técnico da Seleção Brasileira Jaime Bragança, que já vinha promovendo encontros semanais, membros da comissão técnica e atletas da Seleção Argentina dividiram as telinhas do computador e do celular para suar seus quimonos.

"O vínculo de Argentina e Brasil em todos os âmbitos – sociais, culturais e esportivos – é muito importante. Os dois países se fortalecem compartilhando encontros, aulas e aprendizado", destaca Walter Dzurovcin, técnico da Seleção paralímpica argentina.

Cerca de 60 pessoas, incluindo nomes históricos do paradesporto argentino, como o veterano Fabian Ramirez, de 43 anos e dono de duas medalhas em Jogos Paralímpicos (bronze em Pequim 2008 e prata em Atlanta 1996), participaram do treino. Do lado brasileiro, marcaram presença o também lendário Antônio Tenório (seis medalhas em Paralimpíadas), Lúcia Araújo, Meg Emmerich, entre outros.

Lúcia Araújo e Laura González, que se enfrentaram no último Parapan, em Lima, treinaram juntas virtualmente. Foto: CPB

"Inicialmente, não era treino de alto rendimento, mas o pessoal foi pegando condicionamento", explica Bragança, que tem conduzido as aulas virtuais com seus alunos do Centro Esportivo Mooca, muitos deles integrantes da Seleção, três vezes por semana. "Temos um aluno argentino que enviou o link para o Guillermo Traba (coordenador técnico da Seleção Argentina). Ele mobilizou todo mundo para treinar. E saiu um baita treino, motivante, o pessoal gostou muito", elogia o brasileiro.

"A intenção é que os atletas façam suas atividades físicas da forma mais parecida possível. E com o que tiverem em casa. Assim, o que tentamos é continuar trabalhando para manter a motivação", emenda o argentino Dzurovcin, agradecido pela experiência.

Judô em Tóquio

Vale lembrar que o judô paralímpico ainda possuía diversas vagas em aberto antes da pandemia mudar o mundo e cancelar o calendário de 2020, incluindo os Jogos de Tóquio, remarcados para o próximo ano. Duas etapas de Grand Prix, em Nottingham (Inglaterra) e Baku (Azerbaijão), definiriam os últimos classificados. Ainda não há informação sobre as novas datas destes eventos.

Técnico da Seleção Argentina, Walter Dzurovcin, posa com quimono. Ele aprovou a experiência online com os brasileiros. Foto: Arquivo pessoal

Comunicação CBDV

Renan Cacioli

www.cbdv.org.br
Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais

Mais...

Buscas

Todas as notícias