Judô brasileiro se despede do grande mestre Shuhei Okano

Judô brasileiro se despede do grande mestre Shuhei Okano
Professor 9º Dan foi técnico da seleção brasileira de judô nos Jogos Olímpicos de Munique 1972, onde Chiaki Ishii conquistou a primeira medalha olímpica do judô brasileiro
Foto: Paulo Pinto/CBJ

O judô brasileiro perdeu, na manhã deste sábado, 16, um de seus grandes mestres, o professor Shuhei Okano, Kodansha 9º Dan, que faleceu aos 82 anos, em São Paulo. Okano foi técnico da seleção brasileira de judô de 1968 à 1974 e esteve ao lado de Chiaki Ishii nos Jogos Olímpicos de Munique 1972, quando o brasileiro conquistou a medalha de bronze, a primeira do judô em Jogos Olímpicos. Foi também presidente do Instituto Kodokan do Brasil.

AMIGO LEITOR

Seja um colaborador do nosso Site Portal Olímpico.
Venha fazer parte desta família.
Colabore com a divulgação dos esportes.
Não deixe essa chama apagar.
Dê sua contribuição: Pix 22988620015
Depósito ou Transferência Bancaria em nome de Francisco de Alvarenga Leandro
Banco: Santander Ag: 3086 - Conta: 01042887-3
Qualquer dúvida (22) 988620015.
Desde já, agradecemos sua colaboração!
Atenciosamente, Sócio/Gerente: Francisco de Alvarenga Leandro.

+ Seleção brasileira tentará reação no último dia do World Masters de Doha

O sepultamento aconteceu na tarde deste sábado, no Cemitério Redentor, em São Paulo, com a presença de familiares e amigos próximos. A Confederação Brasileira de Judô, em nome de toda a família do Judô Brasileiro, presta sua solidariedade aos familiares e amigos do Sensei Okano neste momento de difícil despedida.

Judô Tênis

Shuhei Okano

[Querido amigo! Está gostando desta matéria? Se sim, precisamos da sua colaboração para mantermos o nosso Site Portal Olímpico. Contribua com a quantia que puder, será de grande ajuda.
Nosso PIX: 22988620015.
Desde já, nosso muito obrigado, e prossiga com uma boa e abençoada leitura.]

Nascido em 20 de janeiro de 1938, em Hokkaido, graduado em Direito pela Universidade de Thu, em Tóquio, Shuhei Okano emigrou para o Brasil aos 28 anos e dedicou toda sua vida ao judô.

+ Silvio Acácio Borges é empossado no Conselho de Administração do Comitê Olímpico do Brasil

Nessa caminhada, contribuiu em diversas frentes para o desenvolvimento e promoção da filosofia do judô no país, participando ativamente do processo de unificação do sistema de graus do judô brasileiro e dedicando-se durante longos anos para o fortalecimento na formação de atletas.

Por ocasião do Centenário de Tratado de Amizade Brasil-Japão, realizou o Campeonato Internacional Amistoso de Judô, convidando a Federação Japonesa de Judô, contribuindo para as relações amistosas entre os dois países. Concretizou a reforma da arena olímpica do Ginásio do Ibirapuera por meio do Projeto de Assistência a Projetos Comunitários Culturais do Governo do Japão. Além disso, publicou livros relacionados ao judô e trabalhou na promoção da introdução da modalidade no sistema oficial da educação brasileira.

+ Beatriz Souza e David Moura terminam em 7º lugar, melhor resultado do judô brasileiro no World Masters de Doha

Em reconhecimento aos seus feitos, recebeu, em 2019, homenagem do Governo do Japão que o condecorou com a “Ordem do Sol Nascente – Raios de Prata”, honraria estabelecida em 1875 pelo Imperador Meiji e, tradicionalmente, conferida em nome do Imperador àqueles que prestaram longos e meritórios serviços ao país, sendo destinada a civis, militares, japoneses e estrangeiros.

Em 2017, Shuhei Okano foi convidado pelo presidente da Confederação Brasileira de Judô (CBJ), Silvio Acácio Borges, para participar do I Encontro Nacional de Kodanshas, no qual ministrou palestra sobre “História, Filosofia e Pensamento do mestre Jigoro Kano”. Na ocasião, afirmou: “Judô é disciplina, respeito e educação”. Valores que ele praticava não apenas no dojô, mas na vida, e que deixou como grande legado em todos os judocas que formou.

Fonte: CBJ (cbj.com.br)

Share