Tradutor/ Translate

Brasil tem três árbitras e um árbitro promovidos à classe Continental

Kamila Lemos, Bruna Neves, Erika Damasceno e Leonardo Arashiro foram aprovados no exame realizado em Lima, Peru, durante o Campeonato Pan-Americano e de Oceania Sub-18 e Sub-21

Brasil tem três árbitras e um árbitro promovidos à classe Continental
Foto: CBJ/Divulgação

AMIGO LEITOR
Seja um colaborador do nosso Site Portal Olímpico. Não deixe essa chama apagar. Neste momento de dificuldade, toda contribuição financeira é bem-vinda.
Dê sua contribuição: Pix 22988620015
Depósito ou Transferência Bancaria em nome de Francisco de Alvarenga Leandro - Banco: Santander Ag: 3086 - Conta: 01042887-3
Qualquer dúvida (22) 988620015.
Desde já, agradecemos sua colaboração!
Atenciosamente, Sócio/Gerente: Francisco de Alvarenga Leandro.

Não foram só os atletas das equipes de transição do Brasil que fizeram bonito no Campeonato Pan-Americano e de Oceania realizado em Lima, Peru, no último final de semana. Além das 31 medalhas conquistadas no tatame pelos judocas brasileiros, o país teve mais quatro judocas brilhando na arbitragem do evento. As árbitras Kamila Lemos, Bruna Neves e Erika Damasceno ao lado do árbitro Leonardo Arashiro foram aprovados no exame para a classe Continental e agora estarão aptos a atuar em eventos como pan-americanos e sul-americanos.

Judô Tênis

Os quatro prestaram exame durante as competições, sendo observados de perto pelo diretor de arbitragem da Federação Internacional de Judô, Florin Daniel Lascau. Eles arbitraram diversas lutas nas fase preliminares e também foram escalados para atuar nas fases finais, o que indica bom desempenho.

+ Luana Carvalho conquista prata e Rafaela Silva, bronze no Pan-Americano/Oceania 2022

[Querido amigo! Está gostando desta matéria? Se sim, precisamos da sua colaboração para mantermos o nosso Site Portal Olímpico. Contribua com a quantia que puder, será de grande ajuda.
Nosso PIX: 22988620015.
Desde já, nosso muito obrigado, e prossiga com uma boa e abençoada leitura.]

Professor Lucas Maia visita o Centro de Treinamento da UENF

Nove judocas do Time Judô Rio irão participar dos Campeonatos Pan-americanos Sub 18 e Sub 21

Além da prova prática no evento, os árbitros passaram também por provas teóricas e de língua estrangeira (inglês/espanhol) para receberem o distintivo da FIJ de Árbitro Continental. Esse é um passo importante para os profissionais da arbitragem que almejam chegar ao próximo nível na arbitragem, a classe FIJ A (Árbitro Internacional), que pode atuar em eventos internacionais como Grand Slam, Mundiais e Jogos Olímpicos.

O grupo aprovado neste exame representa o esforço da CBJ com políticas de promoção de equidade de gênero e também com o processo contínuo de formação e renovação da arbitragem internacional, já que a média de idade dos quatro aprovados é de 35 anos. Kamila Lemos, de 28 anos, é a mais jovem do grupo.

Rio de Janeiro leva a melhor no quadro geral de medalhas do Campeonato Brasileiro de Judô Região III

Com Recorde de Medalhas, Time Judô Rio é Campeão do Brasileiro Regional 2022

Assembleia Geral Ordinária aprova por unanimidade as contas da FJERJ

Exame para FIJ A

Outros dois brasileiros participaram dos exames para a categoria FIJ A, a mais alta da arbitragem internacional, durante o Campeonato Pan-Americano e de Oceania Sênior, que aconteceu também em Lima, nos dias 15, 16 e 17. Márcio Gomes (RO) e Luiz Emilio Villanueva (MS) foram aprovados e conseguiram a chancela FIJ A.

[Querido amigo! Está gostando desta matéria? Se sim, precisamos da sua colaboração para mantermos o nosso Site Portal Olímpico. Contribua com a quantia que puder, será de grande ajuda.
Nosso PIX: 22988620015.
Desde já, nosso muito obrigado, e prossiga com uma boa e abençoada leitura.]

Perfis – Continental:

Erika Damasceno Cesar, 5º Dan, 39 anos, FEMEJU

“Ser Árbitra Continental significa ter mais responsabilidade que me possibilita a arbitrar competições oficiais da IJF e estar mais próxima do grande sonho de ser Árbitra Internacional FIJ A. O maior desafio foi vencer a ansiedade , bem como conseguir o montante necessário para estar no evento, mas com ajuda incondicional da Minha Família, Entidade maior CBJ minha federação (Femeju) e meus padrinhos (André Mariano e Bruno Ramos), e amigos através de rifa isso foi possível.”

Leonardo Pontes Arashiro, 5º Dan, 43 anos, FPJUDO

“Me dedico à arbitragem desde 1995, e a minha promoção a árbitro continental é um passo muito importante para o sonho de todo e qualquer árbitro que é um dia se tornar árbitro internacional. Meu maior desafio foi em manter a calma durante o exame, pois foram muitos anos de dedicação para chegar até aqui.”

Bruna Medeiros Neves, 4º Dan, 31 anos, FJERJ

“Significa a conquista da possibilidade de realização de um sonho maior em prol do judô, após anos de dedicação, estudos, abdicação da família e muita superação. Dentre as maiores dificuldades cito a abdicação da família em muitos momentos e o alto custo de investimento na carreira.”

Kamila Elisabete Lemos, 3º Dan, 28 anos, FCJ

“Significa a realização de um trabalho árduo durante anos e a possibilidade de atingir novos sonhos e objetivos, buscando transmitir ensinamentos e benefícios para o judo brasileiro. Foram vários desafios que dificultaram a realização dessa conquista, como a busca dos recursos para a realização do mesmo antes do evento e até ter que viver o estresse e a preocupação de estar com a bagagem extraviada fora do meu país. Mas tenho a sorte de ter amigos e parceiros do judô que me ajudaram em todo o processo, superando todas as adversidades. E minha família que sempre está do meu lado.”

Fonte: CBJ (cbj.com.br)

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.