Tradutor/ Translate

Brasileiro sub-17 de Vôlei de Praia 2022 tem Rio de Janeiro e Paraná como Campeões

Pódio feminino e masculino do Brasileiro sub-17, em Vila Velha (ES)
Foto: Divulgação/CBV

Henzo Almeida ganhou uma comemoração antecipada de aniversário nesta quarta-feira, nas areias da Praia da Costa, em Vila Velha (ES). O jovem, que completa 16 anos no sábado, conquistou o título do Brasileiro sub-17 de vôlei de praia 2022, ao lado de Bernardo Chassot, de 1,98m aos 16 anos. Na competição feminina, a festa foi para a pequena cidade paranaense de Dois Vizinhos, com cerca de 40 mil habitantes, onde nasceu Pabliny, de 15 anos, campeã ao lado de Lorena, de Londrina.

AMIGO LEITOR
Seja um colaborador do nosso Site Portal Olímpico. Não deixe essa chama apagar. Neste momento de dificuldade, toda contribuição financeira é bem-vinda.
Dê sua contribuição: Pix 22988620015
Depósito ou Transferência Bancaria em nome de Francisco de Alvarenga Leandro - Banco: Santander Ag: 3086 - Conta: 01042887-3
Qualquer dúvida (22) 988620015.
Desde já, agradecemos sua colaboração!
Atenciosamente, Sócio/Gerente: Francisco de Alvarenga Leandro.

“A sensação é de trabalho realizado. Viemos nos preparando muito para chegar aonde estamos, e o resto foi consequência. Tenho que agradecer muito também ao nosso CT e seus profissionais, que tiram nosso máximo a cada dia, e aos nossos dois técnicos, que nos auxiliaram dentro e fora das quadras”, destacou Henzo.

Judô Tênis

Na decisão masculina, Henzo e Bernardo venceram Mateus/José Henrique por 2 sets a 0 (21/13 e 21/15). Lorena e Pabliny também ganharam a final por 2 sets a 0 (21/18 e 21/15), contra Maria Victoria e Alice. Lipe/Fabricio e Julhia/Sophia conquistaram a medalha de bronze.

“É uma sensação inexplicável. Era nossa última chance nessa categoria, e treinamos muito para brigar por essa medalha. Não tem como descrever essa sensação de alegria por tudo o que já passamos, e não posso esquecer da minha família, que sempre esteve comigo e foi fundamental nesse processo”, comemorou Pabliny.

[Querido amigo! Está gostando desta matéria? Se sim, precisamos da sua colaboração para mantermos o nosso Site Portal Olímpico. Contribua com a quantia que puder, será de grande ajuda.
Nosso PIX: 22988620015.
Desde já, nosso muito obrigado, e prossiga com uma boa e abençoada leitura.]

“É a melhor sensação que pode existir, muito bom saber que todo meu esforço e minha dedicação diária valeram a pena. Acho que apenas minha família sabe o quanto eu queria isso, e estou orgulhosa porque pude mostrar a jogadora que existe dentro de mim”, completou Lorena.

O Brasileiro sub-17 é disputado em etapa única e reúne duplas formadas por jovens do mesmo estado. Henzo/Bernardo Chassot, Maria Victoria/Alice e Lipe/Fabricio representaram o Rio de Janeiro, Lorena/Pabliny e Mateus/José Henrique defenderam o Paraná, e Julhia e Sophia jogaram pelo anfitrião Espírito Santo.

“Os dois têm uma cabeça muito forte como time, são muito determinados, comprometidos com o trabalho, escutam o que a gente tem a passar de informação e conseguem assimilar rapidamente. Além de tudo, o Bernardo é realmente um bloqueador, e o Henzo teve muita precisão nos ataques. E eles conseguiram fazer muito bem as três ações que pedi para eles terem atenção – passe, levantamento e saque -, e isso foi determinante para a campanha que fizemos”, analisou Pedro Paulo Nolasco, técnico de Bernardo Chassot/Henzo.

“O diferencial da nossa dupla foi a regularidade no sideout, e principalmente a defesa. Em todas as partidas, as meninas defenderam muito e tiveram paciência para fazer o ponto. Na final, elas entraram muito focadas e conseguiram controlar bem a ansiedade durante todo o jogo”, declarou Ivomary Ramos, treinador de Pabliny/Lorena.

O torneio foi o primeiro a adotar o modelo de seletivas regionais como parte da classificação para a competição, com o objetivo de desenvolver a modalidade nas diversas regiões e reduzir os gastos das duplas com deslocamento. Até sete duplas podem se classificar diretamente das seletivas para o torneio principal. O formato também será aplicado para o Circuito Brasileiro sub-19.

“O princípio desse sistema é fazer com que as duplas joguem uma primeira classificatória local, o que faz com que disputem mais partidas e haja mais desenvolvimento do vôlei de praia nos estados. Com as seletivas, há participação ainda maior das Federações, que são agentes fundamentais no desenvolvimento desse novo sistema. As Federações são parceiras que precisam estar inseridas no sistema. Os torneios locais precisam ter protagonismo e estar conectados ao Circuito Brasileiro”, explica Guilherme Marques, gerente de vôlei de praia da Confederação Brasileira de Voleibol.

O Banco do Brasil é o patrocinador oficial do voleibol brasileiro

Fonte: CBV

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.