Toronto 2015

Com direito a vitórias em família, bocha conquista seis ouros de sete possíveis

2144.V

Leandra Benjamin /MPIX/CPB
Richardson Ferreira e a calheira e esposa Adriana Almeida comemoram o ouro na prova individual da classe BC3.

Richardson Ferreira e a calheira e esposa Adriana Almeida comemoram o ouro na prova individual da classe BC3.

País conseguiu 100% nas finais individuais desta terça-feira e levou dois bronzes. Irmãos Eliseu e Marcelo Santos compartilharam o pódio

A ideia inicial pode ser a de isolamento. Afinal, são pessoas com deficiências severas, como paralisia cerebral grave, tetraplegia e distrofia muscular. Mas, em um contato mais próximo, percebe-se que um olhar é uma fonte de comunicação poderosa. São os pequenos gestos que fazem a diferença na bocha, um esporte de estratégia e precisão. E a intimidade ajuda a proporcionar o entendimento completo das sutilezas.

Em duas das quatro categorias da modalidade exclusivamente paralímpica, os jogadores recebem auxílio de assistentes, responsáveis por posicionar a bola em uma rampa para o lançamento, chamada calha. Mas os ajudantes ficam de costas para a quadra, o que não os impede de “ver” o jogo no rosto do parceiro. “O meu sistema é mexer a cabeça para um lado, para outro, mas ela consegue ler o jogo nos meus olhos”, afirma Richardson Ferreira, auxiliado pela esposa Adriana Almeida. “Ela me conhece muito e sente quando a partida está difícil ou quando estou indo bem. O calheiro fica em uma agonia muito grande, porque não vê nada que acontece”.

A regra existe para evitar interferências externas, mas os atletas podem falar ou indicar com gestos ou olhares como querem direcionar a calha e com qual inclinação. Neste momento, a cumplicidade ajuda. “Ele pensa e eu sei o que ele quer, no olhar, no aspecto facial. Essa união é 24 horas e isso ajuda no jogo. Eu me dedico para a competição e para apoiá-lo. A gente traça estratégia juntos, assiste às partidas dos oponentes, sente qual é a dificuldade do adversário e tenta traçar o melhor caminho”, conta Adriana, exibindo a medalha de ouro conquistada nesta terça-feira (11.08) ao lado do esposo. Na final, 8 x 1 no canadense Eric Bussiere na classe BC3.

» Com investimentos em atletas, modalidade proporciona um "choque de autonomia"

Na mesma categoria, Antônio Leme levou o bronze ao superar a compatriota Daniele Martins. Auxiliado pelo irmão Fernando, ele resume a importância da parceria. “É sensacional. Ele me põe para cima. A bocha é minha vida”. O calheiro entende que o entrosamento fora de quadra auxilia no desempenho nas competições. “A gente sempre foi unido desde pequeno. Estarmos juntos numa competição com nível tão grande é um prazer imenso. E ele necessita de um assistente que fale a mesma língua, entenda o olhar, o gesto, que saiba o que ele está pensando. Ter esta intimidade fora da quadra facilita nosso trabalho”.

Pódio familiar

A família da bocha também pintou de verde e amarelo outro pódio do Abilities Centre. Os irmãos Eliseu e Marcelo Santos participam da categoria BC4, na qual os atletas não necessitam de ajudantes, e levaram o primeiro e o terceiro lugar, respectivamente. “Você poder participar de uma competição deste nível é a realização de um sonho. E estar ao lado do meu irmão no pódio é algo maravilhoso”, disse Marcelo.

Mais um caso em que a convivência ajudou no crescimento mútuo. “Nós treinamos juntos, um ajuda ao outro. Eu não gosto de perder para ele e nem ele para mim e, assim, vamos ficando melhor”, afirma Eliseu, que foi um incentivo para o irmão se dedicar à bocha, quando voltou para casa com um ouro e um bronze das Paralimpíadas de Pequim 2008. “Aquilo me incentivou a seguir a carreira e ir junto com ele”, conta o caçula Marcelo.

O apoio entre eles passa do incentivo nos treinos e serve para superar a saudade do ambiente familiar. “Viajei e deixei mãe, esposa, filho... então é bom estar aqui ao lado do Marcelo e das pessoas que fazem parte dessa família da bocha”.

Resultados

As disputas individuais encerraram a participação da bocha no Parapan de Toronto. O Brasil bateu o recorde de ouros ao conquistar seis medalhas dentre sete possíveis. Nesta terça (11.08), o país venceu as quatro finais, três contra os donos da casa, e ainda levou dois bronzes. Ao todo, foram nove medalhas, seis de ouro e três de bronze, levando em conta as provas de duplas e equipe.

Na classe BC1, José Chagas fez 8 x 0 no canadense Hanif Mawji; na BC2, Maciel de Souza anotou 8 x 0 no também canadense Adam Dukovich.

A disputa da BC3, teve Richard Ferreira fazendo 8 x 1 em Eric Bussiere, do Canadá, e Antônio Leme anotando 4 x 1 sobre Daniele Martins na luta pelo bronze.

Na BC4, Eliseu Santos superou o colombiano Euclides Grisales por 9 x 6, enquanto Marcelo Santos ganhou o bronze sobre a canadense Alison Levine ao fazer 5 x 1.

O país ainda teve ouros nas duplas da classe BC4 e na disputa por equipes, classe BC1/BC2. O outro bronze veio nas duplas na classe BC3.

Veja a galeria de fotos no site: www.brasil2016.gov.br

www.brasil2016.gov.br
Gabriel Fialho, de Toronto - brasil2016.gov.br

Mais...

Buscas

Todas as notícias