Judô

Victor Penalber conquista o Bronze no Cazaquistão

95.V

FJERJ

Foi disputado na semana passada, entre os dias 24 e 30 de agosto, o Campeonato Mundial de Judô em Astana, Cazaquistão e o Rio de Janeiro estiveram representados por três atletas: Victor Penalber (81 kg), Rafaela Silva (57 kg) e David Moura (+100 kg), todos do Judô Comunitário Instituto Reação.

Para o nosso orgulho, alegria e satisfação, Victor Penalber conquistou a Medalha de Bronze vencendo o georgiano, número 1 do Ranking Mundial.

Após três vitórias por ippon na fase preliminar, Victor Penalber perdeu a chance de disputar o Ouro ao ser derrotado na semifinal pelo francês Loic Pietri, que lutava pelo bi mundial.

Mas o nosso judoca de 25 anos ergueu a cabeça e foi buscar a importante medalha de bronze com um respeitável triunfo sobre o georgiano Avtandili Tchrikishvili, número 1 do ranking mundial.

Em seu terceiro Mundial, o sexto colocado do ranking mundial e medalhista de bronze no Pan de Toronto chegou pela primeira vez na disputa por medalhas. Ele tinha terminado em nono lugar, em 2013, no Rio de Janeiro, e em sétimo, no ano passado, em Chelyabinsk, na Rússia.

O resultado de Victor o deixa muito perto da vaga brasileira do peso-meio-médio nas Olimpíadas do Rio 2016. Isso porque ele teve um desempenho bem superior ao de Leandro Guilheiro, com quem ele disputa o posto nos Jogos do ano que vem.

A CAMPANHA DE VICTOR PENALBER

Victor Penalber entrou direto na segunda rodada e passou pelo primeiro combate derrotando Sergiu Toma, dos Emirados Árabes Unidos. Na rodada seguinte, Penalber não teve trabalho diante do moçambicano Marlon Acacio. Em seguida Penalber encarou outro top 20 e mais uma vez levou a melhor, vencendo Yakhyo Imamov, 18º do ranking.

Restava a Penalber buscar a vaga nas semifinais, e o combate colocou o francês Loic Pietri. O campeão mundial de 2013 saiu na frente com um yuko, e o brasileiro passou o restante do confronto correndo atrás do prejuízo. Pietri sofreu um shido por postura passiva, mas, a pouco mais de um minuto do fim, obteve o segundo yuko. Penalber chegou a sofrer duas advertências e não conseguiu a virada, lhe restando a vaga na repescagem.

O moldavo Valeriu Duminica foi o adversário de Victor na primeira luta da repescagem e com um eficiente tai otoshi, conseguiu um ippon para avançar, pela primeira vez na sua carreira à disputa de medalha em um Mundial.

Não foi nada fácil encarar na luta pelo bronze o georgiano Avtandili Tchrikishvili, então campeão mundial e número 1 do mundo. Victor começou a luta demonstrando que estava muito bem fisicamente, ao contrário do rival, que parecia cansado. Ele foi forçando punições do forte oponente, se defendeu muito bem, soube lutar taticamente e esperou os cinco minutos de combate para vibrar muito com o bronze, conquistando porque Tchrikishvili foi penalizado com três shidos.

Parabéns por esta grande conquista! Estava demorando, mas chegou. Você não tem ideia da torcida aqui. Por trás desta medalha tem muita gente, que prefiro não relacionar porque certamente deixarei alguém de fora. São muitas pessoas, entre profissionais, amigos, família, companheiros de treino, etc. Tenho certeza que todos que fazem parte disso estão felizes com a medalha. Você deu o seu melhor, lutou com maturidade e técnica. Parabéns, Parabéns, Parabéns! Rio2016 está aí. O aprendizado e aperfeiçoamento nunca terminam, mas certamente falta menos do que faltava. Vamos que vamos! Beijos e Saudades. Te amamos muito! Disse sua Mãe Gisele Rodrigues.

David Moura, no seu primeiro combate, derrotou o letão Vladimirs Osnachs depois que o adversário foi eliminado do combate com quatro punições. Na segunda rodada, ele foi superado pelo japonês Ryu Shichinohe, atual vice-campeão mundial e ficou fora da disputa por medalhas.

Já Rafaela Silva, em seu primeiro combate, sofreu uma punição logo no começo da luta contra a canadense Catherine Beauchemin-Pinard, que se defendeu muito bem das ações da nossa atleta. Nos últimos segundos, ao arriscar um ataque, acabou sofrendo o estrangulamento e desistiu da luta.

Rafa os grandes campeões também tem seu dia de decepção, porém Professor Jigoro Kano disse: “não é quantas vezes eu caio, mas quantas vezes eu me levanto”. Você já está calejada em se superar vamos levantar a cabeça e pensar no que você mais quer que seja a medalha de ouro no Rio 2016. Eu acredito e você? Beijos! Disse o Professor Geraldo Bernardes.

Foram apenas dois pódios para o Brasil no Mundial do Cazaquistão – o país também ganhou um bronze com Érika Miranda (até 52 kg).

O Brasil se despediu da capital do Cazaquistão neste domingo, 30 de agosto, com o fim das disputas por equipe do Mundial Astana 2015. A equipe masculina terminou o torneio na sétima colocação depois de vencer o Uzbequistão e ser derrotada por Alemanha e Cazaquistão. Já a equipe feminina foi derrotada na estreia pela poderosa equipe do Japão. A delegação chega ao Brasil na madrugada desta terça, primeiro de setembro.

O próximo compromisso da seleção brasileira é o Grand Slam de Paris, de 16 a 18 de outubro.

O Judô Carioca e a Federação de Judô do Estado do Rio de Janeiro parabenizam todos os Atletas e ao Judô Comunitário Instituto Reação.

www.judorio.org
FJERJ

Mais...

Buscas

Todas as notícias