Tiro com Arco

Federação internacional elogia competição de tiro com arco e cita poucos pontos de atenção

3927.V

Buda Mendes/Getty Images
O secretário geral da Federação Internacional de Tiro com Arco, Tom Dielen, acredita que sua modalidade terá a “melhor instalação dos Jogos Olímpicos”. Na imagem, o holandês Rick Van Der Ven atira no sambódromo.

O secretário geral da Federação Internacional de Tiro com Arco, Tom Dielen, acredita que sua modalidade terá a “melhor instalação dos Jogos Olímpicos”. Na imagem, o holandês Rick Van Der Ven atira no sambódromo.

World Archery vai propor a regulação do tráfego durante as competições, mas atletas disseram que não se incomodam com o ruído externo. China venceu a disputa por equipes no masculino

Após seis dos oito dias de competições do Desafio Internacional de Tiro com Arco, o secretário geral da federação internacional da modalidade, Tom Dielen, elogiou, neste domingo (20.09), a organização do evento-teste. Ele aposta que esta será a “melhor instalação dos Jogos Olímpicos”.

“Depois de seis dias aqui no Rio, podemos dizer que esta instalação tem um potencial fantástico para ser, na nossa opinião, a melhor para os Jogos Olímpicos do próximo ano. Temos uma grande equipe trabalhando em conjunto, a Federação Internacional, o Comitê Rio 2016 e todos os parceiros. Ainda há trabalho a fazer, é um evento-teste, e isso é normal. Não estamos testando tudo, mas estamos bastante convencidos de que teremos Jogos de muito sucesso”, avaliou Tom Dielen.

O dirigente, entretanto, informou que o barulho externo ainda é um desafio para a World Archery. “É um dos pontos de discussão que temos com o Comitê Organizador. Eu acho que há soluções que podem ser encontradas para resolver o problema para todos. A solução que vamos propor é que, durante o período de competição, não haja tráfego. As buzinas são o maior desafio. Mas também para a produção televisiva, se você tem barulho ao fundo isso não é bom para as transmissões”, explicou.
O Rio 2016 pode estudar intervenções no tráfego em conjunto com a prefeitura, mas, de acordo com Agberto Guimarães, diretor executivo de Esportes do Comitê Organizador, essa será a última opção.

» Arqueiros brasileiros usam a competição-teste deste domingo para acostumar com o “fator-casa”

“O evento vai servir para a gente medir se precisa ou não. Se não precisar, a gente não mexe, porque mexer com trânsito é mais complicado do que a gente aumentar uma parede e criar uma barreira acústica. Vamos esperar terminar este evento e vamos ouvir todo mundo envolvido. A gente tem feedback dos representantes das equipes dos atletas, porque se eles disserem que, para eles, não tem problema, nós não precisamos mexer com isso. A última coisa que a gente quer é causar um transtorno no trânsito da cidade”, disse.

Para arqueiros brasileiros e estrangeiros, os ruídos do entorno do Sambódromo – que fica no centro do Rio de Janeiro – não estão representando um grande problema na competição.

“Algumas vezes dá para ouvir uma ou outra buzina, mas é diferente. Arqueiro presta atenção no relógio, sabe a hora. Não está atrapalhando a questão da buzina , não tive nenhum problema com isso”, declarou o brasileiro Daniel Xavier.

O mexicano Juan René Serrano concorda. “O atleta tem que se concentrar. No dia das competições, certamente haverá muito ruído, talvez não fechem as ruas de trás, então haverá caminhões passando com buzina e tudo e a gente tem que se acostumar com isso, é normal. Teve um dia em que passou um caminhão e a buzina foi forte, mas foi só uma vez”, lembrou.

Plataforma

Assim como na área de treinos e fase classificatória, foi montada uma plataforma de um metro de altura no local onde ocorrem as disputas por equipes e os combates individuais.

“Esta (plataforma) está até melhor. Na verdade, nesta a gente não pode treinar, só atirar no torneio. Na de treino, em alguns pontos dela você sente uma ondulação. Você está parado no alvo, calmo, se alguém está passando atrás de você isso interfere um pouco na hora. Nesta daqui não, tem menos gente”, explicou Daniel Xavier.

“Esta aqui não balançou) A outra, a do campo de classificação (e de treinos), balançou.Todos nós atiramos durante uma semana, está super quente e úmido, com 120 pessoas andando por ela, então ela está começando a se soltar. Mas entendemos que eles vão deixá-la menor para o ano que vem e isso a fará mais estável”, acrescentou o norte-americano Brady Ellison.

De acordo com o secretário geral da World Archery, as estruturas vão, de fato, passar por ajustes. “A plataforma vai ser diferente, não será tão alta. No momento, ela está muito maior do que a gente espera para os Jogos. E não terá essa forma que varia para cima e para baixo, será um espaço contínuo”, explicou.

Outro aspecto que será levado em consideração na versão final da plataforma, segundo o diretor do Comitê Rio 2016, é o trabalho dos fotógrafos.

“Eles (da federação internacional) têm algumas ideias que querem propor com relação à plataforma, ao local de competição – se puxa mais pra frente, se puxa mais pra trás –, porque a gente precisa ter fotos bonitas do evento e aqui a gente tem que aproveitar ao máximo da disposição do Sambódromo para poder colher essas fotos”, declarou Agberto Guimarães.

Resultados

A China venceu a disputa masculina por equipes, neste domingo, ao derrotar o Canadá por 6 a 0. O bronze foi para a Holanda com a vitória por 5 a 3 sobre Taipei. O Brasil foi eliminado pela Índia nas oitavas de final, mas aproveitou o evento-teste para se preparar melhor para os Jogos Rio 2016.

No sábado (19.09), a competição feminina por equipes foi vencida pela Coreia do Sul. Nesta segunda-feira (21.09), serão disputadas as finais do individual entre as mulheres. Na terça-feira (22.09), é vez da definição do individual masculino, com a participação do brasileiro Marcus Vinícius D´Almeida.

www.brasil2016.gov.br
Carol Delmazo, brasil2016.gov.br

Mais...

Buscas

Todas as notícias