Jogos Olímpicos

Campo Olímpico de Golfe é aprovado durante evento-teste no Rio

3844.V

Gabriel Heusi
Alexandre Rocha durante o evento-teste realizado no Campo Olímpico de Golfe, na Barra da Tijuca

Alexandre Rocha durante o evento-teste realizado no Campo Olímpico de Golfe, na Barra da Tijuca

Competição

Nove brasileiros jogaram no novo espaço, na Reserva de Marapendi, para avaliar condições do gramado e do circuito

O Campo Olímpico de Golfe foi testado nesta terça-feira (8) durante o Desafio Aquece Rio de Golfe. Nove atletas brasileiros foram responsáveis por dar as primeiras tacadas no local que será palco da modalidade nos Jogos Olímpicos, na Reserva de Marapendi, região da Barra da Tijuca. Em evento fechado ao público, os golfistas puderam avaliar as condições do novo campo.

“Está muito bom, superou as expectativas. Eu poderia jogar mais 18 buracos agora porque está uma delícia. Eu jogo no mundo inteiro e acho que este é um dos melhores campos em que já joguei na vida. A qualidade da grama é uma das melhores”, elogia Victoria Lovelady. “A primeira impressão foi muito boa. O campo está perfeito, não pensei que estaria em tão boas condições. O design está ótimo”, acrescenta Miriam Nagl. As duas atletas estão com chances de classificação para os Jogos Olímpicos.

Os homens que testaram o campo também aprovaram as condições encontradas. “Foi prazeroso jogar. Sou orgulhoso por ser daqui e ter um campo como esse no meu país. É um grande momento para nós, com os Jogos Olímpicos aqui”, aponta Alexandre Rocha.

“A qualidade é de primeiro mundo. Os profissionais do ranking mundial vão vir aqui e gostar. Acho que hoje a gente não pegou a dificuldade do vento, mas, quando ele entrar em jogo, aí sim vai dar para ver como o campo é difícil”, acredita Rafael Barcellos. “O único ponto que eu mudaria um pouquinho são as areias nos bunkers, que estão perto do green. Estão com um pouquinho mais de areia, mas em uma semana dá para arrumar”, avalia o golfista de 44 anos. Rafael Becker, Luciane Lee, Rodrigo Lee, Daniel Stapff e Candy Hannemann foram os demais atletas no evento-teste.

O presidente da Federação Internacional de Golfe (IGF), Peter Dawson, acompanhou o torneio de exibição e aprovou o que viu. “Eu acho que o campo está fantástico, em excelentes condições. O que precisamos fazer agora, e conversaremos com a Confederação Brasileira de Golfe (CBG) sobre isso, é um programa para que a instalação seja mantida para uso público”, comenta. Após os Jogos, o local será aberto para o uso da população e para o desenvolvimento de projetos sociais.

Medições

De acordo com Paulo Pacheco, presidente da CBG, o evento-teste foi importante para testar aspectos que vão além do gramado. “O campo está em condições de jogo. Ele agora está recebendo os ajustes finais para os Jogos Olímpicos. O design, a construção e a irrigação são dos melhores do mundo. O que estamos testando é a mobilidade do jogador e a parte de medição da bola, de distância”, explica.

Segundo ele, a avaliação do espaço é fundamental para o planejamento da transmissão da competição. “Durante as Olimpíadas, teremos 71 câmeras transmitindo esses jogos para o mundo inteiro. O evento internacional com mais câmeras tem 59. Por isso, precisamos fazer essas medições todas, entender onde a bola bate, para onde vai correr, para sinalizar ao mundo a qualidade do campo olímpico”, acrescenta.

De acordo com o diretor de gestão das instalações do Comitê Rio 2016, Gustavo Nascimento, outro importante aspecto testado foi o sistema de resultados. “Foi uma oportunidade de acessar o campo e ter certeza de que o sistema de resultados e de tempo funcionam. O golfe não exige um sistema sofisticado, mas é importante para nós darmos a oportunidade de testá-lo”, explica.

O Campo Olímpico de Golfe foi construído integralmente com recursos privados, no valor de R$ 60 milhões, e desenhado pelo arquiteto norte-americano Gil Hanse. Com capacidade para 15 mil torcedores durante os Jogos Olímpicos, a área de competição tem dois lagos artificiais e bancas de areia entre os obstáculos. A operação do evento-teste contou com 111 voluntários do Rio 2016, além de 55 funcionários.

Investimentos

Entre os nove atletas que disputaram o evento-teste, três contam com apoio do governo federal por meio da Bolsa Atleta: Daniel Stapff (categoria nacional), Rafael Becker (internacional) e Rafael Barcellos (nacional). O programa contemplou em 2015 um total de 31 golfistas, somando R$ 437,3 mil por ano.

A CBG também firmou convênios com o Ministério do Esporte para a preparação dos atletas para os Jogos Olímpicos e estruturação de centros de treinamento, em um repasse de R$ 3,1 milhões. Os recursos também foram destinados à formação de equipe multidisciplinar, participação em competições internacionais e aquisição de seis conjuntos de equipamentos para a modalidade.

Além disso, a confederação já teve 16 projetos aprovados desde 2010, que resultaram em captação de R$ 17,8 milhões por meio da Lei de Incentivo ao Esporte. Já pela Lei Agnelo/Piva, foram mais de R$ 6,6 milhões entre 2011 e 2015 para o desenvolvimento do golfe nacional. A previsão para este ano é de R$ 2,3 milhões.

www.brasil.gov.br
Portal Brasil 2016

Mais...

Buscas

Todas as notícias