Natação

Etiene Medeiros conquista o índice olímpico para os 100m costas

1420.V

Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br
A nadadora cravou a marca de 1m00s00 nos 100m costas durante o Troféu Maria Lenk

A nadadora cravou a marca de 1m00s00 nos 100m costas durante o Troféu Maria Lenk

Evento-teste

Para a atleta, que no ano passado ganhou o primeiro ouro da natação feminina em Pan-Americanos, essa foi a a marca mais difícil de ser alcançada

No Troféu Maria Lenk, a nadadora Etiene Medeiros terminou a prova dos 100m costas com índice cravado em 1m00s00, abaixo do determinado para o Rio 2016, 1m00s25. Na manhã do sábado (15), no Estádio Olímpico de Esportes Aquáticos, Rio de Janeiro, ela comemorou o que considerou a marca mais difícil de conquistar.

“Aliviada, esse é o nome. Mais uma vez, a natação surpreende qualquer um. Eu estava em busca desse índice e acho que foi o mais difícil que eu fiz, de condições mental e física, e acabou gerando uma pressão para mim. Eu tinha de fazer, e não estava saindo. Não foi o tempo que eu realmente queria, mas ainda tem à tarde”, comentou a atleta do Sesi, que já tem índice nos 50m e nos 100m livre. Ela também atingiu a marca nos 100m borboleta, mas as vagas ficaram com Daynara de Paula e Daiene Dias.

Etiene comentou a relação que tem com o estilo que a fez escrever o nome na história da natação feminina brasileira. “Relação de amor é isso, às vezes, está bem, às vezes, não está, mas a gente insiste, sempre quer o melhor dele. Com o nado costas, é uma relação de amor e, graças a Deus, estou me dando muito bem com ele, mas quando a gente tem amor por uma prova, a gente precisa lapidar cada vez mais e descobrir algum segredo dela. Estou nessa fase”, explicou a atleta.

Em 2014, a nadadora conquistou ouro no Mundial de piscina curta de Doha (Catar) nos 50m costas, a primeira medalha feminina da modalidade em Mundiais. Na mesma prova, ela conquistou a prata no Mundial de Kazan (Rússia) de 2015. Mas a distância olímpica do estilo são os 100m, e Etiene correu atrás. No Pan de Toronto (Canadá), também no ano passado, levou para casa o primeiro ouro da natação feminina em Pan-Americanos, exatamente nos 100m costas. E foi dessa prova que ela se lembrou neste sábado quando estava a alguns segundos de conquistar o índice para o Rio 2016.

“A adrenalina dessa prova tem de ter mais dosagem, eu fico muito energizada, tem muito nervosismo. Quando vi o placar, até lembrei do Pan: em todas as provas do costas eu virava e via minha passagem, e agora eu fiz a mesma coisa. Dei aquela lembrada, então teve um flashback do Pan, e isso me motivou para fechar a prova bem”, contou. O 1m00s00 conquistado nesta manhã é o recorde do Troféu Maria Lenk.

O treinador Ferando Vanzella comentou a sensação de dever cumprido. "Isso dentro do treinamento, sempre nas competições, é uma prova que para ela é a mais complexa de ser trabalhada. E ela tem de estar muito bem no dia, tem de estar ajustada. Ela fez uma prova excelente hoje. Teve um detalhe da chegada que não foi tão bem, tirou um tempinho que poderia ter dado 59", mas ela nadou muito bem”, disse.

Outros resultados da manhã

Nos 100m costas masculino, Guilherme Guido também bateu o recorde do campeonato com 53s10, o quinto melhor tempo do mundo em 2016. A marca é bem próxima dos 53s09 que o atleta fez na primeira seletiva olímpica, em Palhoça (SC), em dezembro de 2015, batendo o recorde sul-americano.

“Estava esperando fazer 52s, pegou um pouco no final, vou ver com o pessoal da biomecânica do Pinheiros se houve algum erro. Não deu, passou perto, e vamos tentar à tarde”, disse Guido.

Nos 200m livre masculino, os dois atletas que já haviam conquistado índice em Palhoça melhoraram suas marcas. Nicolas Oliveira fez a eliminatória em 1m46s97, e tinha 1m47s09 de Santa Catarina. João de Lucca diminuiu o 1m47s81 de Palhoça para 1m47s77.

Não houve brasileiras nadando abaixo do índice olímpico nem nos 100m peito nem nos 400m livre. Na primeira, a melhor nadadora nacional nas eliminatórias foi Jhennifer Conceição (1m09s08), e marca para o Rio 2016 é 01m07s85. Nos 400m livre, Manuella Lyrio fez 4m16s89, ainda bem distantes do índice de 4m09s08. Lyrio já tem marca olímpica para os 200m livre.

Formato e finais

As eliminatórias, disputadas pela manhã, classificarão oito atletas com os melhores tempos para nadar a Final A, sejam eles brasileiros ou estrangeiros. Os nadadores brasileiros que terminarem as eliminatórias da manhã entre a 9ª e a 16ª posições participarão da Final B.

O pódio da prova internacional (Final A) será definido logo após a disputa. Já o pódio do evento nacional será determinado depois da realização das duas Finais (A e B). Isso porque o atleta que nadar a final B terá a mesma oportunidade daquele que nadar a final A na busca do índice olímpico, na pontuação para seus clubes e também estará concorrendo ao pódio nacional. Dessa forma, as colocações e as pontuações do Campeonato Nacional só serão divulgadas após a realização das duas provas decisivas.

O Troféu Maria Lenk é o evento-teste da natação para os Jogos Olímpicos Rio 2016. Os principais aspectos testados são a área de competição, a ação dos voluntários do esporte e a tecnologia de resultados.

Programação do Troféu Maria Lenk 2016

Eliminatórias a partir de 9h30
Finais a partir de 17h30 até o dia 19, e a partir de 17h no dia 20

Sábado (16/04)

100m costas feminino
200m livre masculino
100m peito feminino
100m costas masculino
400m livre feminino

Domingo (17/04)

200m livre feminino
200m borboleta masculino
200m medley feminino

Segunda-feira (18/04)

100m livre masculino
200m borboleta feminino
200m peito masculino

Terça-feira (19/04)

100m livre feminino
200m costas masculino
200m peito feminino
200m medley masculino

Quarta-feira (20/04)

50m livre masculino
50m livre feminino
100m borboleta masculino
200m costas feminino
1500m livre masculino
800m livre feminino

www.brasil.gov.br
Portal Brasil, com informações do Brasil 2016

Mais...

Buscas

Todas as notícias