Tradutor/ Translate

Goleira Luciana confia na Olimpíada para coroar volta por cima da sua carreira

Goleira Luciana confia na Olimpíada para coroar volta por cima da sua carreira
Goleira de 33 anos brilhou no título da Ferroviária na Libertadores
Foto: © Thais Magalhães/CBF/Direitos Reservados

Aos 33 anos, Luciana é uma das jogadoras mais experientes da seleção brasileira de futebol feminino reunida na Granja Comary, em Teresópolis (RJ). No currículo, estão participações em Copa América, Jogos Pan-Americanos e na Copa do Mundo de 2015. As grandes atuações pela Ferroviária, brilhando nas conquistas da Série A1 (primeira divisão) do Campeonato Brasileiro em 2019 e, mais recentemente, da Libertadores, colocaram a goleira novamente na mira da técnica Pia Sundhage para, quem sabe, chegar à primeira Olimpíada da carreira, em Tóquio (Japão).

AMIGO LEITOR
Seja um colaborador do nosso Site Portal Olímpico. Não deixe essa chama apagar. Neste momento de dificuldade, toda contribuição financeira é bem-vinda.
Dê sua contribuição: Pix 22988620015
Depósito ou Transferência Bancaria em nome de Francisco de Alvarenga Leandro - Banco: Santander Ag: 3086 - Conta: 01042887-3
Qualquer dúvida (22) 988620015.
Desde já, agradecemos sua colaboração!
Atenciosamente, Sócio/Gerente: Francisco de Alvarenga Leandro.

+ Alerj pedirá veto ao governador por desistir da troca de nome do Maracanã

Judô Tênis

“Vou dar o meu máximo, não só na seleção, mas no meu clube também, pois, jogando bem, somos observadas com afinco. A Pia ainda não definiu as goleiras, então, se a vaga estiver aberta, vou me esforçar para ficar entre as duas escolhidas para a Olimpíada”, disse Luciana em entrevista coletiva por videoconferência nesta terça-feira (6).

Alerj troca nome de Maracanã para Pelé; neto de Mário Filho protesta

[Querido amigo! Está gostando desta matéria? Se sim, precisamos da sua colaboração para mantermos o nosso Site Portal Olímpico. Contribua com a quantia que puder, será de grande ajuda.
Nosso PIX: 22988620015.
Desde já, nosso muito obrigado, e prossiga com uma boa e abençoada leitura.]

Apesar de Bárbara (Avaí/Kindermann) ser a goleira mais utilizada desde que Pia iniciou o trabalho na seleção, em agosto de 2019, a técnica testou nomes como Lelê (Benfica, de Portugal) e Aline Reis (Tenerife, da Espanha), além da própria Luciana. A camisa 1 da Ferroviária foi chamada para os amistosos contra o México, em dezembro de 2019, atuando na goleada por 4 a 0, em Araraquara (SP), e para um período de treinos na Granja Comary, em setembro do ano passado, que reuniu apenas jogadoras do Campeonato Brasileiro.

+ Seleção feminina se apresenta para treinos com a presença de Giovana Crivelari

Ir a Tóquio consagraria a volta por cima na carreira de Luciana. Há seis anos, a goleira falhou no gol que decretou a derrota por 1 a 0 para a Austrália, que eliminou o Brasil nas oitavas de final da Copa do Mundo, disputada no Canadá. Em 2016, acabou fora das convocadas pelo então técnico Vadão para a Olimpíada do Rio de Janeiro. O peso das críticas fez a camisa 1 repensar a vida no futebol. A resposta foi dada em campo.

+ Copa de Futebol Feminina de 2023. Fifa anuncia cidades-sede e estádios

“Aquele ano foi muito difícil para mim. Depois daquele episódio, pensei em parar de jogar. Doeu muito. Mas trabalhei bastante e continuo trabalhando forte para jogar em alto nível, independente de estar convocada ou não. Consegui voltar para representar bem o Brasil e quem sabe ir a Tóquio”, destacou a goleira.

Nova geração

Se Luciana pode ter a última chance de disputar uma Olimpíada, Vic Albuquerque faz parte da nova geração do futebol feminino brasileiro. A atacante do Corinthians é observada não só pensando em Tóquio, mas também na Copa do Mundo de 2023, na Austrália e na Nova Zelândia, e nos Jogos de Paris (França), em 2024. Os torneios contemplam a duração do vínculo de Pia com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Atacante Vic Albuquerque faz parte da nova geração do futebol feminino brasileiro
Foto: Thais Magalhães/CBF/Direitos Reservados

“Estou preparada e trabalhando muito para estar na equipe da próxima Olimpíada, mas tenho noção de que, pela minha idade, posso estar nos planos para o futuro e também fico muito feliz com isso. Independente de agora ou mais para frente, meu trabalho é permanecer aqui e trazer coisas boas para seleção”, afirmou Vic, de 23 anos, também em entrevista coletiva por videoconferência.

A corintiana não é a única da nova safra brasileira no grupo reunido na Granja Comary. A goleira Nicole (Napoli-SC), a zagueira Tainara (Palmeiras) e as meias Vanessinha (Cruzeiro), Jaqueline (São Paulo) e Julia Bianchi (Palmeiras) são outras jovens de, no máximo, 23 anos, presentes na convocação de Pia. Com a seleção feminina impossibilitada de realizar amistosos na Europa por conta do estágio da pandemia do novo coronavírus (covid-19), a treinadora priorizou atletas que atuam no Brasil para os treinos em Teresópolis. Somente a zagueira Rafaelle (Changchun, da China) e a meia Andressa Alves (Roma, da Itália) jogam no exterior entre as 26 jogadoras.

“A gente acompanha o futebol das meninas lá fora e tudo que elas têm entregado em campo. O futebol tem evoluído muito no Brasil, muitas atletas que estavam fora voltaram para cá, porque sabem dessa evolução. Elas [jogadoras do exterior] não estão neste momento por conta da pandemia, mas a gente se ajuda. Quando temos a oportunidade, nós aproveitamos. Quando elas têm, também aproveitam. É disso que se faz a seleção. Uma ajudando a outra para conseguirmos o maior objetivo, que é o ouro olímpico”, concluiu Vic.

Publicado em 06/04/2021 – 18:48 Por Lincoln Chaves – Repórter da TV Brasil e da Rádio Nacional – São Paulo

Edição: Fábio Lisboa

Fonte: Agência Brasil (agenciabrasil.ebc.com.br)

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.