Judô

Selecionáveis dão show no GP Infraero de Judô e dominam pódios em Porto Alegre

663.V

Gustavo Granata/CBDV/Agência Preview
Competição teve lindas técnicas de golpes

Competição teve lindas técnicas de golpes

Os judocas da Seleção Brasileira de Judô Paralímpico dominaram o Grand Prix Infraero - Etapa Final e foram campeões da competição em praticamente todas as categorias, neste sábado, 21, no Ginásio Tesourinha, em Porto Alegre. A competição contou com a participação de atletas de 17 estados, além do Distrito Federal.

Depois de conquistarem bons resultados na Copa do Mundo, no Uzbequistão, Wilians Araújo (+100kg), Alana Maldonado (-70kg) e Lúcia Araújo (-63kg) não tiveram dificuldades para ficarem com o ouro em suas respectivas categorias. Nas outras divisões da disputa masculina, Antônio Tenório foi campeão no -100kg, Arthur Silva levou no -90kg, Abner Oliveira venceu duelo difícil contra Harlley Arruda e ganhou no -81kg. No leve (-73kg), o título ficou com Denis Rosa, no meio-leve (-66kg) Mayco Rodrigues subiu no ponto mais alto do pódio, enquanto no ligeiro Thiago Silva predominou.

No feminino, Luiza Oliano contou com o apoio da torcida para levar o ouro no ligeiro (-48kg), Karla Cardoso, em sua nova categoria, levou o título no -52kg. Na categoria +70kg, Meg Emmerich superou a ascensão Rebeca Silva para ficar com o título. E numa das lutas mais disputadas, Maria Lins superou Keitlely Frazão e ficou com o ouro no -57kg.

“Eu venho treinando e me dedicando muito. Faço judô há três anos e entrei com o foco de ir para as Paralimpíadas. Então, é treino, foco e dedicação que o resultado vem. É entrar com o objetivo de ganhar, botei isso na minha cabeça. Toda luta que entro é sempre com esse objetivo”, vibrou e projetou Maria Lins.

E com os resultados de todas as categorias, o Cesec-SP foi o campeão no Quadro Geral de Medalhas da categoria Adulto. O vice-campeonato ficou com a Adevirn-RN e o terceiro lugar com a Ceibc-RJ.

Fomento e iniciação

A Etapa Final do Grand Prix Infraero de Judô Para Cegos teve também disputas na categoria Iniciante, que tem o objetivo de dar oportunidades para os atletas que estão começando na modalidade. E no Quadro Geral de Medalhas, a Acergs-RS ficou na liderança e levou o troféu. Em seguida, o CAD-SP, que ficou em segundo, e em terceiro a ABASC-PR.

“É a premiação de um trabalho que nunca tem fim. É difícil a renovação, nós temos buscado atletas novos, mas infelizmente nós temos dificuldades de encontrar atletas jovens. Normalmente pegamos atletas de meia idade, então, a medida que a gente vai ganhando, vai aparecendo mais, mais atletas aparecem. É um trabalho de formiguinha”, disse o técnico da Acergs-RS, Gustavo Schumacher.

Patrocínio e apoio ao esporte

O Judô Paralímpico brasileiro conta com o patrocínio da Infraero desde 2009, fundamental na execução das fases de treinamento, realização das duas etapas do Grand Prix, intercâmbios dos atletas da seleção, contratação de profissionais para a equipe multidisciplinar, além de atender outros projetos importantes para o crescimento da modalidade no país.

Desde o início da parceria o Brasil conquistou 74 medalhas em competições internacionais, entre as mais importantes estão as dos Jogos Paralímpicos. Foram oito no total, divididas em Londres 2012 e Rio 2016. Além dos resultados expressivos nos tatames, o número de participantes nas etapas Grand Prix Infraero crescem a cada ano.

www.cbdv.org.br
Tadeu Casqueira

Mais...

Buscas

Todas as notícias