Futebol

Brasil perde nos pênaltis e fica com o vice da Copa América de futebol de 5

19.V

Renan Cacioli/CPB
 Ricardinho encara a marcação de Nicolás Véliz durante a final da Copa América do Chile

Ricardinho encara a marcação de Nicolás Véliz durante a final da Copa América do Chile

Santiago, Chile (3/12/2017) – A Seleção Brasileira de futebol de 5 perdeu neste domingo o título da Copa América IBSA 2017, no Chile. Na final, acabou superada pela Argentina, que venceu nos pênaltis (2 a 1) após o 0 a 0 no tempo normal.

Pelo lado brasileiro, Bill e Marquinhos desperdiçaram as cobranças, enquanto Ricardinho converteu a sua. O goleiro Luan ainda defendeu o pênalti batido por Nicolás Véliz, mas não conseguiu evitar os gols de Silvio Velo e Max Espinillo.

Apesar do tropeço nos pênaltis, como não houve vencedor durante os 40 minutos de jogo, o Brasil ainda mantém uma invencibilidade de 58 partidas. A última derrota no tempo normal foi justamente para os argentinos, em maio de 2013: 2 a 1, pelo Torneio de San Luis, no México.

Foi o primeiro pódio sem o time número 1 do ranking mundial no lugar mais alto desde a Copa do Mundo de 2006, disputada em Buenos Aires, que teve os donos da casa como campeões. Desde então, a Seleção colecionara 24 troféus e buscava o 32º de sua história.

Para o técnico Fábio Vasconcelos, é hora de refletir e pensar no que é preciso melhorar para a Copa do Mundo de 2018, que se jogará em Madri, na Espanha. O Brasil venceu as duas últimas edições (Japão-2014 e Inglaterra-2010).

“Um dia a gente sabia que iria perder. Não quer, trabalha para evitar isso, mas acontece. É levantar a cabeça. Próximo ano, em janeiro, tem convocação, vamos começar tudo de novo, vem o Mundial. A gente não pode parar. Sei que é ruim perder, mas caímos de pé. E tem de parabenizar também a Argentina, que soube jogar e fez uma boa competição”, disse o treinador brasileiro.

O jogo

Sem poder contar com o fixo Cássio, expulso na partida anterior, diante da Colômbia, Fábio optou por Bill para compor a formação titular, que teve: Luan, Damião, Bill, Nonato e Ricardinho.

Do outro lado, como já se tornou habitual na Argentina, o treinador Martín Demonte abriu mão de suas peças ofensivas para montar o ferrolho. Deixou os artilheiros Nicolás Véliz e Silvio Velo, além de Lucas Rodrigues, no banco. Com Coki Padilla, Ángel Dedo e Frederico Accardi atrás, David Peralta era o único jogador na frente.

A estratégia era anular Ricardinho, camisa 10 do Brasil, na armação e impedir que a bola chegasse a Nonato, que fez o pivô. Com isso, os brasileiros quase não conseguiram finalizar durante a partida. Na etapa final, os atuais bicampeões sentiram o cansaço. Além de Cássio, Fábio não podia contar com Tiago Paraná, que se lesionou ainda na estreia, o que restringiu o número de atletas para ele rodar durante o duelo. Assim, os argentinos até cresceram, criaram duas boas oportunidades e levaram a decisão às penalidades, quando conseguiram ser mais eficientes nas cobranças e assegurar o título.

Brasil ainda sobra no confronto

O triunfo reduz um pouco do prejuízo argentino no retrospecto diante de seu rival, mas o Brasil ainda sobra contra os “hermanos”, seus oponentes mais fortes na modalidade.

Em 17 finais no formato mata-mata entre as equipes, o selecionado canarinho levou a melhor em 14. Perdeu apenas três: além desta Copa América, foi vice na edição de 2005, disputada em São Paulo, e do já citado Mundial de Buenos Aires, em 2006.

Ao todo, os vizinhos sul-americanos se enfrentaram 47 vezes. Houve 23 vitórias brasileiras, 19 empates e cinco vitórias argentinas. Marcamos 49 gols e sofremos 17.

As campanhas

Em Santiago, os brasileiros colecionaram três vitórias – Peru (9 a 0), México (2 a 0) e Chile (5 a 1) – e dois empates – Argentina (0 a 0) e Colômbia (2 a 2) na fase classificatória, quando terminaram na segunda colocação, atrás dos argentinos no saldo de gols. Ao todo, o time marcou 18 gols e sofreu três. Os artilheiros da equipe no campeonato foram Nonato e Ricardinho, com seis gols cada.

Os argentinos fizeram campanha semelhante. Venceram México (3 a 0), Peru (8 a 0) e Chile (5 a 0) e empataram com Brasil (0 a 0) e Colômbia (1 a 1). Balançaram as redes 17 vezes e só levaram um gol. Nicolás Véliz e Silvio Velo foram os seus goleadores, com seis gols cada.

A competição deste ano foi jogada no formato de todos contra todos, em turno único. As duas equipes com mais pontos ao fim desses confrontos garantiram vaga na final.

CONFIRA a tabela completa e lista de artilheiros AQUI.

Disputas pelas demais posições

Além da decisão, o domingo contou também com outros dois duelos. Na disputa pelo quinto lugar, que abriu o dia, o Chile venceu o Peru por 2 a 1 nos pênaltis (1 a 1 no tempo normal) e ficou com o quinto lugar. Mais tarde, a Colômbia derrotou o México por 3 a 0 e garantiu a terceira colocação.

Prêmios individuais

Apesar do título da Argentina, as duas principais premiações individuais do campeonato foram entregues a colombianos. Juan Quintero, que jogará na APADEVI-PB em 2018, ganhou o prêmio de artilheiro, com 12 gols marcados. Já o melhor jogador da Copa América IBSA 2017 foi seu companheiro de seleção, Jhon Gonzalez.

Rumo a Madri
A Copa América classificou quatro seleções à Copa do Mundo de 2018, que será realizada em Madri, em junho. O Brasil já estava garantido por ser o atual campeão mundial. Argentina, Colômbia e México também carimbaram seus passaportes para a Espanha.

VEJA a nossa galeria de fotos da Copa América IBSA 2017.

www.cbdv.org.br
Tadeu Casqueira

Mais...

Buscas

Todas as notícias