Surf

COB e CBSurf apresentam projeto de apoio ao surfe rumo aos Jogos Olímpicos Tóquio 2020

80.V

COB
Tatiana Weston-Webb, Silvana Lima e Tainá Hinckel receberão suporte para treinamento e participação no Circuito Mundial

Tatiana Weston-Webb, Silvana Lima e Tainá Hinckel receberão suporte para treinamento e participação no Circuito Mundial

O Comitê Olímpico do Brasil (COB) apoiará a participação da equipe feminina de surfe do Brasil na corrida pela classificação para os Jogos Olímpicos Tóquio 2020. O anúncio oficial do projeto de preparação dos atletas da modalidade foi feito nesta terça-feira, dia 8, na sede da entidade, com a participação da Confederação Brasileira de Surfe (CBSurf) e das três atletas que receberão o suporte por parte das entidades: Tatiana Weston-Webb, Silvana Lima e Tainá Hinckel.

O apoio se dará através de suporte para treinamento e participação no Circuito Mundial de 2018 e de 2019, cujo ranking define a participação de até duas atletas por país nos Jogos de Tóquio. A escolha das atletas beneficiadas foi realizada pela Confederação Brasileira de Surfe, de acordo com o Ranking do Circuito Mundial de 2018 e a participação no último Mundial Júnior. Elas terão apoio em passagens aéreas, despesas de viagens e ajuda de custo. Além disso, o Centro de Treinamento Time Brasil, no Rio de Janeiro, estará com todos os seus serviços de preparação física, fisioterapia e Ciências do Esporte à disposição das atletas. O COB também apoiará a CBSurf na realização do Circuito Brasileiro feminino, que terá quatro etapas em 2018.

“Foi uma reunião importante, onde buscamos passar um pouco da experiência que temos com outras modalidades olímpicas para tentar adaptar à realidade do surfe. Nesse momento, explicamos que o foco será a preparação da equipe feminina, pois entendemos que existia um gap entre as chances do surfe masculino e do feminino. No masculino, temos inúmeros atletas entre os melhores do mundo, dois campeões mundiais e somos o maior país em quantidade de atletas na elite do circuito mundial”, disse Jorge Bichara, diretor de Esportes do COB.

Uma das contrapartidas do projeto é que as três surfistas beneficiadas façam palestras pelo Brasil, com o objetivo de motivar novas atletas a começarem na modalidade. “O surfe é uma modalidade muito praticada no nosso país e temos certeza que esse apoio do COB vai estimular ainda mais que outras meninas venham também a praticar o esporte no Brasil. A corrida olímpica já começou e essas são as três melhores colocadas no ranking mundial, mas estamos atentos para outras atletas que possam surgir e vamos procurar dar a melhor estrutura possível para que nossas atletas cheguem a Tóquio em condições de conquistar medalhas”, observou Rogério Sampaio, Diretor Geral do COB, campeão olímpico de judô em Barcelona 92.

A classificação olímpica se dará através do ranking do Circuito Mundial da World Surf League (WSL) de 2019, mas podem ser obtidas também via ISA World Surfing Games 2020 e nos Jogos Pan-Americanos Lima 2019 para os países que, na ocasião, ainda não tenham atingido a quantidade máxima de atletas permitida.

“Nós já temos uma atleta excelente, a vice-campeã mundial Silvana Lima. E buscamos repatriar a Tatiana, que competia pelo Havaí. E, nesse momento, estamos investindo na Tainá, de 14 anos, que tem um grande futuro e ano passado ficou como 3ª melhor do mundo Jr. na WSL. Nossa torcida é que apareçam mais atletas de alto nível e que possam disputar com elas. Porque, quem vai representar o Brasil em 2020 são as melhores atletas. A CBSurf está aqui, assim como o COB, para ajudar para que elas possam ter as melhores condições para representar o Brasil em Tóquio 2020”, afirmou Adalvo Argolo, presidente da CBSurf.

O surfe fará a estreia no programa olímpico nos Jogos de Tóquio 2020, junto com skate, escalada esportiva e karatê. Beisebol e softbol voltam ao Programa. “O surfe é uma modalidade nova no Programa Olímpico com grande importância para o Brasil. Temos dois campeões mundiais no masculino, Gabriel Medina e Adriano de Souza, e excelentes atletas também no feminino, o que nos dá a certeza de uma boa performance em Tóquio, contribuindo para o resultado geral do Time Brasil no evento”, disse Jorge Bichara.

Uma das pioneiras do surfe feminino no país, Andrea Lopes, atualmente gestora da modalidade dentro da CBSurf, era uma das mais felizes com o anúncio do apoio. Depois de 27 anos como competidora, ela enxerga a ação como o reconhecimento de um trabalho de muitos anos.

Atletas - Aos 21 anos, Tatiana ocupa a 4ª posição no ranking da primeira divisão da WSL, o circuito mundial de surfe profissional (WCT), tendo sido vice-campeã da etapa de Bells Beach, na Austrália, em março. Filha da ex-bodyboarder gaúcha Tanira Guimarães e do surfista inglês radicado no Havaí, Doug Weston-Webb, Tatiana nasceu em Porto Alegre, mas com dois meses de idade seus pais se mudaram para o Havaí, onde se radicou. Em abril decidiu defender as cores verde e amarela no Circuito Mundial e tentar a vaga olímpica pelo Brasil. “Eu já queria competir pelo Brasil porque o país estava dando muito apoio ao surfe feminino. É uma mudança de vida. Estamos muito felizes com o apoio da CBSurf e do COB. O surfe feminino vai mandar muito bem para o Brasil e espero que dê tudo certo para que eu possa disputar o ouro nos Jogos Olímpicos”, destacou Tatiana.

A cearense Silvana Lima é um dos maiores nomes da história do surfe feminino nacional. Aos 33 anos, já foi duas vezes vice-campeã do Circuito Mundial, em 2008 e 2009, e ocupa hoje em dia a 10ª colocação entre as melhores do mundo. “Agradeço demais por essa oportunidade que estão dando ao surfe feminino. Estou muito orgulhosa. É um grande sonho poder fazer parte do Time Brasil. Eu moro no Rio de Janeiro e vou aproveitar ao máximo o Centro de Treinamento do COB. Vou fazer todos os exames possíveis. O que estão nos oferecendo é uma estrutura total para o atleta ter conforto, sem se preocupação nenhuma. Um apoio destes, sem gasto nenhum do nosso próprio bolso, é incrível. Não só dentro d´água, mas também na parte física e psicológica. Isso vai me ajudar muito, era o que eu mais queria. Me sinto 100% estruturada”, reconheceu Silvana.

Para Tainá Hinckel, local da Guarda do Embaú, em Santa Catarina, o apoio do COB e da CBSurf foi como um presente de aniversário, já que ela completou 15 anos nesta terça-feira. Apontada como uma das maiores promessas do surfe brasileiro, é a atual campeã sul-americana na categoria sub-18 e terceira colocada no Mundial Pro Junior (2016). “É incrível estar recebendo esse apoio junto destas grandes atletas. Me inspiro muito na Silvana e na Tatiana. É um esporte caro, que requer muito apoio, então é incrível estar recebendo esse suporte do COB. Agora vamos pra cima porque, mais do que nunca, estou preparada. Sempre sonhei em disputar os Jogos Olímpicos e vou fazer de tudo para fazer parte do Time Brasil e representar nosso país”, projetou Tainá.

Cada uma das três surfistas envolvidas no projeto olímpico do COB terá um planejamento diferente.

Confira os benefícios concedidos a cada uma delas:

Silvana Lima

- Seis etapas do Circuito Mundial
- Quatro etapas do WQS 6000
- Uma viagem para treinamento em El Salvador

Tainá Hinckel

- Quatro etapas do WQS 6000
- Uma etapa do WQS 1500
- Uma etapa do WQS 1000
- Um Pro-Júnior
- Uma viagem para treinamento no Havaí

Tatiana Weston-Webb

- Seis etapas do Circuito Mundial
- Quatro etapas do WQS 6000
- Uma viagem para treinamento em El Salvador

www.cob.org.br
Comitê Olímpico do Brasil

Mais...

Buscas

Todas as notícias