Jogos Olímpicos

Triatlo inicia corrida rumo a Tóquio 2020

47.V

Wagner Araújo/ ITU Media
Começa nesta sexta-feira (11) a soma de pontos para o ranking olímpico. Saiba os critérios e os personagens que fazem parte dessa disputa

Começa nesta sexta-feira (11) a soma de pontos para o ranking olímpico. Saiba os critérios e os personagens que fazem parte dessa disputa

Tem início oficialmente nesta sexta-feira (11) a corrida dos triatletas que sonham em representar as cores do seu país nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. O ranking olímpico, organizado pela ITU (International Triathlon Union), estará aberto até o dia 11 de maio de 2020 e classificará 110 atletas (55 masculinos e 55 femininos) para a disputa de 3 eventos: individual masculino, individual feminino e team relay.

Neste período de 24 meses, os atletas poderão utilizar seus 12 melhores resultados para pleitear uma vaga. Cada País poderá classificar no máximo 1 ou 2 atletas de cada gênero para a disputa, sendo que apenas 3 a 5 países vão conseguir classificar 3 atletas masculinos e/ou femininos. A distribuição das vagas por nação será de acordo com a posição dos atletas no ranking olímpico.

Critérios Individuais

O crite´rio mi´nimo de elegibilidade para qualquer uma das vagas e´ a posic¸a~o 140 do ranking de qualificac¸a~o oli´mpica individual, sendo que, para uma nação conquistar uma vaga, espera-se que tenha ao menos um atleta aproximadamente entre os 60 primeiros do ranking Olímpico. Para a Seleção Brasileira, considerando os critérios aprovados e publicados pela Confederação Brasileira de Triathlon (CBTri), a classificação direta, caso o Brasil tenha conseguido uma vaga, será possível nas seguintes situações:

1. Ser Top 5 no evento teste a se realizar no percurso dos Jogos Olímpicos em 2019;
2. Ser Top 5 no WTS Grand Final de 2019;
3. Ser Top 3 em qualquer evento WTS compreendido nos dois períodos de qualificação olímpica;
4. Medalha de Ouro nos Jogos Panamericanos de 2019, desde que seja o melhor atleta brasileiro classificado no Ranking Olímpico no seu encerramento;

Além disso, o atleta também deverá estar classificado até a 30ª posição no Ranking Olímpico no seu encerramento para poder usufruir da vaga direta. A segunda e a eventual terceira vaga serão preenchidas pelos atletas com as melhores posições no Ranking Olímpico no seu encerramento, desde que estejam até a 30ª posição.

"As exigências são rígidas, mas nossa prioridade é que os atletas estejam em condições de competir e representar o Brasil em seu mais alto nível. Fazemos votos de que o maior número possível de atletas se classifiquem e trabalhar duro para proporcionar as melhores condições possíveis de qualificação e de preparação", afirma Sergio Santos, diretor técnico da CBTri e treinador da equipe na Rio 2016.

O regulamento completo com os critérios de seleção está disponível em: www.cbtri.org.br

Mixed Team Relay

Novidade no cronograma do triathlon olímpico, o revezamento misto chega para tornar a disputa mais emocionante e competitivo. Cada time é composto por 2 homens e 2 mulheres. De forma intercalada, cada integrante realiza o percurso de 300 metros de natação, 8 quilômetros de ciclismo e 2 quilômetros de corrida. O relógio para quando o último membro da equipe finalizar o combinado.

Importante destacar que nãoo será obrigatório competir no evento individual para participar no Mixed Team Relay. No entanto, a quota do país não será acrescida por isso. Ou seja, com este evento, ficarão asseguradas 22 das 55 vagas de qualificação possíveis e as outras 26 vagas serão asseguradas pelo ranking de qualificação Olímpica individual. O encerramento do ranking para o Team Relay será em 31 de março 2020.

Brasileiros na disputa

Veteranos e destaques da nova geração já estão treinando a todo vapor visando garantir a maior quantidade possível de brasileiros no maior evento poliesportivo do calendário mundial.

Entre os mais experientes estão Danilo Pimentel, reserva na Rio2016, que está treinando nos Estados Unidos com o grupo de alto rendimento da ITU (Origin Performance) para garantir sua primeira Olimpíada. Outra favorita à vaga é Bia Neres, que acabou engravidando no final da temporada 2015 e ficou fora da disputa por vaga, mas voltou à ativa a todo vapor, subindo no pódios dos principais eventos do calendário nacional desde 2017. Atualmente com 23 anos, Luísa Baptista também tem alcançado ótimos resultados e espera continuar evoluindo para chegar no auge de sua forma física em Tóquio.

"Pretendo buscar um resultado constante durante todo o ciclo olímpico, evoluindo principalmente na natação e ciclismo. Acredito que a conquista da vaga olímpica seja plausível pelos resultados do último ano e existe a inclusão do mixed team relay nos Jogos, o que vai tornar a disputa muito mais interessante. Planejamos o calendário com algumas provas chaves em que vamos buscar o melhor resultado possível. Neste ano temos a Copa do Mundo de Huatulco no ínício de junho e logo depois o Panamericano em Brasília", conta Luísa.

Mas quem vem surpreendendo mesmo e chega forte na disputa são os atletas da nova geração, que estão obtendo resultados muito expressivos nos eventos de alto nível. Um deles é Manoel Messias, 21 anos, oriundo de um projeto social do Ceará, atual campeão panamericano e campeão mundial Junior em 2015. Também natural de Fortaleza, Vittória Lopes, 22 anos, parece ter herdado o talento da mãe (Hedla Lopes) concluinte de mais de 15 Ironmans, e em 2017 foi escolhida a melhor atleta da modalidade pelo COB, faturando o Prêmio Brasil Olímpico.

Quem também corre por fora são Kauê Willy, o naturalizado brasileiro de origem espanhola Anton Ruanova, Matheus Diniz e Diogo Sclebin. A primeira oportunidade de pontuar dos no próximo dia 10 de junho, na etapa de Huatulco (MEX) da Copa do Mundo de Triathlon.

www.cob.org.br
Comitê Olímpico do Brasil

Mais...

Buscas

Todas as notícias