Judô

Maria Suelen Altheman (+78kg) é superada por turca na disputa de bronze e fica em quinto lugar no último dia do Mundial de Baku

24.V

Rodolfo Vilela/ rededoesporte.gov.br
Peso pesado venceu suas três primeiras lutas, mas caiu na semifinal para cubana Idalys Ortiz e na luta pela medalha diante da turca Kayra Sayit. David Moura, Rafael Silva e Beatriz Souza ficaram nas oitavas

Peso pesado venceu suas três primeiras lutas, mas caiu na semifinal para cubana Idalys Ortiz e na luta pela medalha diante da turca Kayra Sayit. David Moura, Rafael Silva e Beatriz Souza ficaram nas oitavas

O Brasil fechou o último dia de disputas individuais do Campeonato Mundial de Judô, em Baku, no Azerbaijão, com um quinto lugar da peso-pesado Maria Suelen Altheman, que caiu na disputa pelo bronze diante da turca Kayra Sayit nesta quarta-feira, 26. A seleção voltará ao tatame da National Gymnastics Arena nesta quinta-feira, 27, para a competição por equipes mistas que encerra o Mundial 2018. O Brasil é o atual vice-campeão mundial por equipes mistas.

"Acho que deu pra perceber que foi um campeonato com muitas surpresas, em várias categorias. Muitos favoritos caíram. Vi minha chave e sabia que ia ter que focar luta por luta. Foi o que eu fiz. Me preparei bastante para lutar com todas, treinei bastante. Saio triste pelo resultado, mas satisfeita porque consegui lutar bem. Independente da derrota, fiz o meu melhor", disse Altheman.

Além de Suelen, os pesados David Moura, Rafael Silva "Baby" e Beatriz Souza também lutaram nesta quarta, mas ficaram nas oitavas-de-final.

Maria Suelen, por outro lado, foi a campeã de sua chave nas preliminares vencendo três lutas seguidas por ippon. Na estreia, ela derrotou a francesa Anne Fatoumata Bairo por ippon e foi para as oitavas, onde derrotou a alemã Carolin Weiss, também por ippon. Nas quartas, em luta equilibrada, a brasileira foi mais agressiva e, bem taticamente, forçou três punições à britânica Sarah Adlington classificando-se à semifinal.

A semifinal em Baku foi uma reedição das finais de 2013 e 2014 entre Suelen e Ortiz. No 13º encontro entre a cubana e a brasileira quem levou a melhor foi Ortiz, que conseguiu um waza-ari no golden score e foi para a decisão pelo ouro com a japonesa Sarah Asahina, que acabou conquistando o bicampeã mundial.

Na mesma categoria, a novata Beatriz Souza, estreante em Mundiais adultos aos 20 anos, também lutou nesta madrugada, mas ficou nas oitavas-de-final. Ela estreou com vitória por ippon (imobilização) sobre Mercedesz Szigetvari, da Hungria, mas não passou por Kayra Sayit, que foi para a repescagem após perder nas quartas para atual campeã mundial, Sarah Asahina.

"Criei a estratégia certa, na minha opinião. Fui para buscar o golpe, para trabalhar o ashi e poder entrar. No vacilo que eu dei no golpe que eu entrei ela acabou conseguindo o waza-ari. Eu dei tudo para buscar no final, mas não deu", lamentou Beatriz, que ainda terá mais uma oportunidade de buscar uma medalha em Mundial na competição Júnior (Sub-21), em outubro, nas Bahamas. "O que eu consegui ganhar aqui de experiência, com certeza, usarei nesse Mundial Júnior e vou para cima, para ganhar minha medalha de Mundial."

No masculino, os medalhistas do último Mundial, Rafael Silva e David Moura, encontraram dificuldade para passar por seus primeiros adversários e acabaram eliminados na primeira rodada. David foi surpreendido pelo ippon do uzbeque Bekmurod Boltiboev, que chegou à semifinal.

"Eu sabia que meu adversário era perigoso, mas foi um segundo que eu errei e ele me jogou. Eu estava dominando, tinha dois shidos de vantagem, tinha quase jogado, o cara é mais leve, veio do meio-pesado. Mas, isso é judô, né", falou David ao sair do tatame um ano depois de ser vice-campeão mundial. "O resultado do ano passado me mostrou que eu poderia ser campeão neste ano. A gente tem que levar as derrotas como aprendizado, para nos tornarmos mais fortes, com mais potencial para ganhar. Mas, nada garante. Eu tenho certeza que estou melhor hoje do que estive no ano passado. E essa é a graça do judô: é imprevisível."

Baby, por outro lado, fez luta mais equilibrada com o vice-campeão olímpico Hisayoshi Harasawa (JPN) que terminou empatada nas punições, com shidos para cada lado, no tempo normal. No golden score, a arbitragem puniu o brasileiro pela terceira vez, o que o desclassificou do combate.

"A luta estava bastante equilibrada. Eu acho que tive certa vantagem no período normal. Depois, no golden score, acabei levando o shido. Mas, é uma luta bastante parelha, um adversário que foi vice-campeão olímpico agora no Rio. Eu preciso ajustar, melhorar e pensar na próxima competição, que o Grand Slam do Japão. Tem o Mundial por Equipe também amanhã. Então é corrigir o que errei nesse combate e poder melhorar para as próximas lutas", avaliou Rafael Silva, já projetando uma melhor participação nas disputas por equipes mistas desta quinta-feira.

Os quatro judocas que lutaram nesta quarta-feira, 26, retornarão ao tatame na quinta para o Mundial por Equipes Mistas.

www.cbj.com.br
Confederação Brasileira de Judô

Mais...

Buscas

Todas as notícias