Judô

Em campanha com vitórias sobre medalhista olímpica e japonesa, Maria Portela conquista a prata do Grand Slam de Ecaterimburgo

100.V

Divulgação
Brasileira derrotou Sally Conway (GBR) e Shiho Tanaka (JPN) nas preliminares e só parou na número um do mundo, Marie-Eve Gahié, da França

Brasileira derrotou Sally Conway (GBR) e Shiho Tanaka (JPN) nas preliminares e só parou na número um do mundo, Marie-Eve Gahié, da França

A peso médio Maria Portela garantiu a primeira medalha brasileira no Grand Slam de Ecaterimburgo, na Rússia, na manhã deste sábado, 16. Em campanha, que teve vitórias sobre a medalhista olímpica Sally Conway e sobre a japonesa Shiho Tanaka, Portela parou apenas na final diante da francesa Marie-Ève Gahié e ficou com a medalha de prata, sua primeira conquista em 2019.

"Eu estava me sentindo mal por não ter começado o ano ainda. Tive lutas ruins, até então, e, hoje, a tranquilidade fez toda diferença. Estava me sentindo segura e, com o decorrer da competição, eu consegui soltar mais meu judô, me levando até a prata", disse Portela após a medalha na Rússia.

O Brasil ainda teve uma segunda oportunidade de subir ao pódio com o peso leve Eduardo Katsuhiro Barbosa. Ele venceu suas três primeiras lutas por ippon e foi parado pelo campeão olímpico Fabio Basile, da Itália, na semifinal. Na luta pelo bronze, o brasileiro acabou sendo superado por Behruzi Khojazoda e ficou em quinto lugar.

Caminho de Portela e Barbosa até as disputas por medalhas

Maria Portela chegou à Rússia para defender seu título de 2018 e começou bem, com vitória sobre Battsetseg Tsog-Ochir, da Mongólia, por waza-ari na primeira luta. Em seguida, derrotou Gulnoza Matniyazova, do Uzbequistão, e chegou às quartas-de-final para o desafio contra a britânica medalhista de bronze em 2016, Sally Conway.

Logo nos primeiros minutos, Portela conseguiu projetar a campeã do Grand Slam de Dusseldorf e pontuou um waza-ari que a credenciou para a semifinal.

Em sua penúltima luta, a brasileira encarou a japonesa Shiho Tanaka por uma vaga na decisão e conquistou o posto com vitória nas punições, forçando três shidos à japonesa.

Na final, Maria foi agressiva em busca da pontuação. Mas, em uma tentativa de projeção, acabou caindo na imobilização da francesa e ficou com a prata.

"Esse resultado renova minha confiança, minhas forças. Estou feliz pelo dia de hoje. Sei que a caminhada é longa, mas sempre é necessário o primeiro passo. E hoje foi meu primeiro passo. Agradecida por todos os profissionais que trabalham comigo, independentemente do momento. Fé em Deus e bora pra cima delas", concluiu Portela.

Essa é a segunda medalha da categoria Médio (70kg) feminina em Grand Slam neste ano. Em fevereiro, Ellen Santana foi bronze no Grand Slam de Dusseldorf.

Assim como Portela, Eduardo Barbosa também venceu sua chave e chegou à semifinal. Para isso, derrotou Ahmed El Meziati, do Marrocos, Ishen Amanov, do Quirguistão, e o russo Evgenii Prokopchuk, todos por ippon.

Na semifinal, ele não conseguiu passar por Fabio Basile e foi para a disputa de bronze, onde acabou sendo derrotado por Khojazada. Apesar da medalha ter escapado, o quinto lugar foi o melhor resultado da carreira de Katsuhiro em Grand Slam e lhe garantiu 360 pontos na classificação olímpica.

Yudy para nas oitavas. Contini, Ketleyn e Alexia ficam na primeira luta

Outros quatro brasileiros lutaram neste sábado, mas ficaram nas preliminares. O meio-médio Eduardo Yudy (81kg) caminhou na chave até às oitavas-de-final, onde perdeu para o número dois do mundo, Frank de Wit, da Holanda.

Marcelo Contini (73kg), Ketleyn Quadros (63kg) e Alexia Castilhos caíram em suas primeiras lutas na Rússia.

www.cbj.com.br
Confederação Brasileira de Judô

Mais...

Buscas

Todas as notícias