Judô

Atletas se superaram em busca das medalhas no Grand Prix de Judô Paralímpico

221.V

Tadeu Casqueira/CBDV
Rebeca Silva no alto do pódio ao lado das outras medalhistas.

Rebeca Silva no alto do pódio ao lado das outras medalhistas.

O Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, recebeu no último sábado, 16, o Grand Prix de Judô disputado por atletas cegos e com baixa visão. A competição contou com a presença de participantes de 16 Estados mais o Distrito Federal. A etapa foi importante para a comissão técnica da Seleção Brasileira observar os judocas em ação no maior evento da modalidade no país.

“O Grand Prix foi bacana porque pudemos observar muitos atletas jovens evoluindo, chegando nas disputas por medalhas e isso é bem interessante. O Grand Prix é a porta de entrada, uma vitrine para todos os atletas chegarem à seleção brasileira. É o momento certo de mostrarem o que estão treinando nos seus clubes”, analisou Jaime Bragança, treinador da Seleção Brasileira.

Muitos dos campeões do Grand Prix de Judô Paralímpico fazem parte da Seleção Brasileira. E uma das decisões foi entre duas companheiras de treinamento. A disputa do ouro da categoria pesado feminino foi entre Rebeca Silva (APADV-SP) e Meg Emmerich (IRM-PR), com a paulista levando a melhor dessa vez.

“Nós somos amigas, treinamos juntas. Cada uma leva a vitória no tempo em que está melhor. Respeito muito ela, mas a disputa vai ser sempre acirrada e muito forte. É muito importante a gente estar aqui, é bom ter uma pessoa para disputar, seja numa com competição pela seleção ou no Grand Prix”, destacou a campeã Rebeca Silva.

Nas outras disputas da categoria feminina, a campeã mundial Alana Maldonado (AMEI-SP) ficou com o título dos médios. Michelle Ferreira (AJCS-MS) levou o ouro na divisão de baixo, até 63kg. Lúcia Araújo (CESEC-SP) faturou nos leves, enquanto Karla Cardoso (CEIBC-RJ) venceu na categoria até 52kg e Luiza Oliano (GNU-RS) superou as adversárias no ligeiro.

Pelo masculino, grandes lutas também agitaram as disputas pelo ouro. O paraense Thiego Marques (AEPA-PA) conquistou o título nos 60kg. Deyverson Souza (ADEVIRN-RN) faturou no meio-leve. Luan Pimentel (ISMAC-MS) levou a melhor na categoria até 73kg, enquanto Harlley Arruda (CESEC-SP) ganhou a medalha dourada na disputa até 81kg. Nas divisões de cima, Arthur Silva (ADEVIRN-RN) venceu o companheiro de equipe Abner Oliveira (ADEVIRN-RN) nos 90kg. Já no meio-pesado Wanderson Porfírio (SCCP-SP) levou nos 100, e por fim, Júlio Cesar Conceição (URECE-RJ) conquistou a glória no pesado.

“A gente sabe que não vai ter tanta surpresa. Tanto eu sei quanto ele sabe, então isso já é uma dificuldade. E muitas vezes se torna até empolgante porque você precisa provar pra si mesmo que é o melhor dentro do seu Estado também”, vibrou o potiguar Arthur Silva, atleta da ADEVIRN-RN.

No Quadro Geral de Medalhas, o CESEC-SP ficou em primeiro lugar, seguido pela ADEVIRN-RN e CEIBC-RJ. A próxima etapa do Grand Prix de Judô Paralímpico será realizada no dia 30 de novembro, também no Centro de Treinamento, em São Paulo. Até lá, as principais atrações serão os campeonatos que judocas da Seleção Brasileira terão pela frente.

Confira todos os resultados: http://bit.ly/2FjuYPJ

www.cbdv.org.br
Confederação Brasileira de Desportos de Deficientes Visuais

Mais...

Buscas

Todas as notícias