Tradutor/ Translate

Repescagem do Brasileirão de Basquete define últimas vagas do mata-mata

Foto: CBB

Não tem outro jeito. É vitória ou casa. No sábado, o Brasileirão volta com quatro jogos decisivos pela repescagem do torneio. Em duelo único, oito equipes terão 40 minutos para decidir sua vida na competição. Quem vencer avança para as quartas de final e quem perder voltar para casa, dando fim ao sonho do título. A bola sobe na Arena Brusque, dia 15 de maio, para Londrina Predial x Black Star/Unisociesc, Basquete Joinville x Vila Nova/AEGB, Botafogo x ADRM/Maringá e Anápolis Vultures x Brusque/Aradefe. Todos os jogos com transmissão da CBB TV.

AMIGO LEITOR
Seja um colaborador do nosso Site Portal Olímpico. Não deixe essa chama apagar. Neste momento de dificuldade, toda contribuição financeira é bem-vinda.
Dê sua contribuição: Pix 22988620015
Depósito ou Transferência Bancaria em nome de Francisco de Alvarenga Leandro - Banco: Santander Ag: 3086 - Conta: 01042887-3
Qualquer dúvida (22) 988620015.
Desde já, agradecemos sua colaboração!
Atenciosamente, Sócio/Gerente: Francisco de Alvarenga Leandro.

A dinâmica de disputa do Brasileirão dividiu as equipes em duas Conferências: Gerson Victalino e Hélio Rubens. Na primeira, Basket Osasco e Flamengo Blumenau avançaram direto para as quartas. E na segunda, Stock Med/União Corinthians e NBPG/Ponta Grossa também se classificaram direto. Aos demais, sobrou a repescagem como única alternativa.

Judô Tênis

Mas, como os times chegaram até aqui? Confira abaixo um panorama das oito equipes que jogam a vida na repescagem do Brasileirão, lembrando que as quartas de final começam no dia 17 de maio, também na Arena Brusque, e que o Final Four será jogado nos dias 21 e 22 de maio, na próxima cidade.

Botafogo

[Querido amigo! Está gostando desta matéria? Se sim, precisamos da sua colaboração para mantermos o nosso Site Portal Olímpico. Contribua com a quantia que puder, será de grande ajuda.
Nosso PIX: 22988620015.
Desde já, nosso muito obrigado, e prossiga com uma boa e abençoada leitura.]

O Alvinegro teve altos e baixos na Conferência Gerson Victalino. A equipe fez um grande primeiro turno, duelando com o Basket Osasco pela liderança. No returno, contudo, oscilou bastante, mesmo jogando dentro de casa, perdeu os jogos para Osasco, Black Star e Flamengo Blumenau, e viu escapar a chance de avançar direto para as quartas de final.

O time, contudo, tem peças importantes no campeonato. Paulinho Boracini é o cestinha do Brasileirão com médias de 20.8 pontos por jogo. Rafael de Araújo lidera a média de rebotes com 9,8 por partida. A experiência de Duda também pode fazer a diferença em um jogo único como a repescagem diante do Maringá.

ADRM/Maringá

Maringá não teve vida fácil no Brasileirão. O time perdeu todos os jogos do returno da Conferência Hélio Rubens e apresentou uma queda vertiginosa na parte técnica. A única vitória veio ainda no turno, diante do Brusque, na segunda rodada. Apesar do favoritismo do Botafogo no confronto, o ADRM/Maringá pode surpreender pelas mãos de dois atletas: Pedro Henrique e Guapi. Eles foram peças fundamentais do time na fase de classificação.

O primeiro tem médias de 10,2 pontos e o segundo de 11 pontos. Guapi ainda ajuda demais com os rebotes, tendo 7,0 de média, e Pedro Henrique dá 3,3 assistências por confronto. Ao lado dos dois, Brunão é outro que pode ajudar diante do Alvinegro, com médias de 9,6pts, 2,8 assistências e 4,7 rebotes.

Basquete Joinville

O Basquete Joinville chegou até a última rodada com chances de avançar direto para as quartas de final. A derrota para o NBPG/Ponta Grossa, contudo, jogou a equipe para a repescagem. O time terminou a primeira fase com seis vitórias e quatro derrotas. E não teve o pivô Murilo, um dos destaques do campeonato, em todo o returno, já que o atleta está lesionado.

Para o confronto contra o Vila Nova/AEGB, o Joinville conta com o crescimento de rendimento do armador Carioca, hoje líder de eficiência no Brasileirão e um dos cestinhas do campeonato com média de 15,7 pontos por jogo. Carioca ainda aparece em terceiro na lista de assistências, com 5,5 pot duelo. No garrafão, Emanuel é uma força com médias de 8,5 rebotes por jogo, assim como Diego Dias, com 7,4 por partida.

Vila Nova/AEGB

O Vila Nova não conseguiu engrenar no Brasileirão. O time perdeu todos os jogos do turno, mesmo jogando dentro de casa, em Goiânia. No returno, fez jogos equilibrados, mas só venceu um, batendo o Anápolis Vultures por 67 a 52. No returno, o time pôde contar com a volta do técnico Breno, além da chegada do pivô Pezão, experiente e pontuador.

Para a repescagem, o grupo deve contar muito com a força ofensiva de Gui Bento, Gui Santos e do próprio Pezão. Gui Bento tem média de 10,6 pontos e 4,6 rebotes, enquanto Gui Santos tem 10,9 pontos e 5,4 rebotes. Pezão chegou liderando todas as estatísticas, com médias de 11,6 pontos e 6,4 rebotes.

Londrina Predial

O Londrina fez um primeiro turno com apenas uma vitória, mas mostrou uma melhora técnica importante na competição. Com um time recheado de jovens, chega na repescagem como uma equipe que pode surpreender, já que venceu o líder geral Stock Med/União Corinthians e fez jogos equilibrados contra o segundo colocado, o NBPG/Ponta Grossa.

Além disso, conta com a força do pivô Caio no garrafão. Ele é o líder de rebotes ofensivos com 3,6 pot jogo. Na tábua Tarek também aparece bem, com nove rebotes por duelo. Pedro Manoel tem médias de 12,5 pontos por jogo, seguido de Jackson com 11,1 e Bibiano com 10,8.

Black Star/Unisociesc

Time veloz e com uma defesa agressiva, o Black Star fez jogos parelhos na conferência Gerson Victalino, mas não se mostrou efetivamente um time confiável. O melhor momento veio na vitória sobre o Botafogo, no returno, quando venceu por 84 a 64. Mas não decolou, ficando apenas com a quinta colocação na primeira fase, com três vitórias em dez jogos.

A equipe, contudo, conta com alguns dos destaques do torneio, como o pivô Mauro Jr, com médias de 11,6 pontos e 9,6 rebotes. Michel Lourencini, com 9,4 pontos por jogo e quase quatro roubos de bola por partida, é um dos exemplos da força do time quando joga sem a bola.

Anápolis Vultures

O Anápolis Vultures é um mistério no Brasileirão. Fez jogos parelhos com todos os times. Em sua chave, venceu o Botafogo e esteve perto de triunfar contra o Basket Osasco e o Flamengo/Blumenau. O time, contudo, pecou na hora de fechar as partidas, e terminou na quarta colocação, com quatro vitórias e seis derrotas.

Um dos grandes nomes da competição, Alef César é o trunfo do time, assim como o pivô Zé Carlos. Alef é o segundo cestinha do campeonato, com 19,6 pontos por jogo. Zé Carlos aparece no top 10, com 14,8 pontos por duelo. Zé ainda é o quinto reboteiro, com 8,8 por jogo, sendo 3,3 ofensivos. E Alef lidera a estatística de arremessos legítimos e convertidos, além de ser o sétimo em eficiência.

Brusque/Aradefe

Brusque terminou na quinta colocação da Conferência Hélio Rubens. Um time jovem, que corre muito, marca demais. E que não desiste dos jogos. Foi assim que venceu o Joinville e fez jogo duro contra o NBPG/Ponta Grossa. Em outros duelos, chegou a liderar, mas falhou na hora de fechar os jogos. Por isso terminou com três vitórias e sete derrotas.

Finão, com médias de 8,9 pontos e 5,6 rebotes, é importante no ataque e na defesa. Matheus Bernardo é o líder em pontuação, com médias de 11,9 por jogo, seguido de Gabriel Assunção, com 11,5 pontos. Kevin Luiz, forte na marcação, também aparece bem no ataque, com médias de 10,9 pontos e 3,8 assistências.

CONFIRA A TABELA DA REPESCAGEM

15 de maio

10h – Londrina Predial x Black Star/Unisociesc
14h – Anápolis Vultures x Brusque/Aradefe
17h – Botafogo x ADRM/Maringá
20h – Basquete Joinville x Vila Nova/AEGB

Fonte: CBB (cbb.com.br)

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.